EFEITO DO ÓXIDO NÍTRICO EM PLANTAS DE MILHO DURANTE O ESTRESSE SALINO

  • Jaíne Polonine de Oliviera
  • Mirella Pupo Santos
  • Ricardo Bressan-Smith
Palavras-chave: Estresse salino, Óxido nítrico, Enzimas antioxidantes

Resumo

A salinidade é um dos fatores que limita o crescimento e a produção das culturas, induzindo modificações morfológicas e metabólicas. O óxido nítrico (ON) participa de vias de sinalização em plantas sendo considerado indutor de respostas de defesa a estresses abióticos. Este trabalho teve por objetivo estudar o efeito do ON em plantas de milho submetidas à salinidade sendo para tanto, analisados o crescimento radicular, a massa da raiz fresca e seca e atividade de enzimas antioxidantes. Plantas de milho foram submetidas aos seguintes tratamentos: solução nutritiva (controle), NaCl 150 mM, SNP 200?M (doador de ON) e NaCl+SNP. Para análise do crescimento radicular utilizou-se régua graduada, a massa fresca foi medida utilizando balança de precisão, e estas mesmas partes foram secas por 72 hs em estufa de circulação forçada para determinação da massa seca. A atividade de enzimas antioxidantes foi determinada espectofotometricamente. As plantas tratadas com NaCl apresentaram redução de 20% do comprimento do eixo principal da raiz, aproximadamente 15% da massa da raíz fresca e da parte aérea e decréscimo de 5% da massa seca das mesmas. O ON aumentou em 20% as massas das raízes e folhas frescas e secas. O ON reduziu parcialmente os efeitos da salinidade, mantendo as massas das raízes e folhas frescas e secas semelhanteao controle. As plantas tratadas com NaCl e ON tiveram indução de aproximadamente 25% da atividade da catalase, guaiacol peroxidase e ascorbato peroxidase. O tratamento NaCl + ON foi o que mais induziu a atividade destas enzimas, cerca de 30%. Estes resultados sugerem que o ON tem papel na proteção da planta ao estresse osmótico e oxidativo promovido pelo NaCl.