ESTABELECIMENTO DE MINIJARDINS DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE GOIABEIRA E ARAÇAZEIRO MULTIPLICADOS PREVIAMENTE POR SEMENTES OU POR ESTAQUIA DE RAMOS HERBÁCEOS

  • Maria Isabela da Costa Terra
  • Jalille Amim Altoé
  • Cláudia Sales Marinho
Palavras-chave: Psidium spp, Propagação de plantas, Fruticultura

Resumo

A técnica de propagação da goiabeira pela miniestaquia poderá ser útil para estabelecimento de protocolos, na produção de mudas certificadas. Pode ser aplicada, também, como ferramenta no melhoramento de plantas na clonagem de materiais de interesse. O objetivo deste trabalho foi avaliar a viabilidade da técnica da miniestaquia como método de propagação de goiabeiras e de araçazeiros, para multiplicação e estabelecimento de minijardins clonais. As mudas foram obtidas por meio de estaquia herbácea para quatro cultivares de goiabeira, e por via seminífera para seleções de goiabeiras e araçazeiros. Essas mudas foram despontadas para formação das minicepas fornecedoras de miniestacas. Foram instalados dois experimentos. No primeiro, o delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro tratamentos (cultivares de goiabeiras) e quatro repetições. No segundo experimento foi utilizado o mesmo delineamento, com três tratamentos (seleções de goiabeiras e araçazeiros) e quatro repetições. Foram avaliadas a produtividade das minicepas e o enraizamento das miniestacas. Os dados foram submetidos a análises estatísticas. Foi observada diferenças entre as cultivares na emissão de brotações das minicepas. As miniestacas das cultivares Paluma, Cortibel 1, Cortibel 6 e Pedro Sato apresentaram 91%, 33%, 33% e 8% de emissão de parte aérea e 95%, 66%, 79% e 75% de enraizamento, respectivamente, aos 62 dias após o estaqueamento. A ‘Paluma’ apresentou maior desenvolvimento de parte aérea e sistema radicular nas miniestacas enraizadas. Para as plantas oriundas de “seedlings”, não houve diferença quanto ao número de brotações emitidas pelas minicepas entre as procedências. As miniestacas de seleções de goiabeiras e araçazeiros – provenientes de Itaboraí e São João da Barra – apresentaram 95%, 54% e 66% de emissão de parte aérea e 100%, 87% e 83% de enraizamento, respectivamente. A técnica da miniestaquia é viável para a multiplicação de mudas obtidas a partir de estacas herbáceas de goiabeira e de mudas obtidas por sementes. O enraizamento de miniestacas obtidas por mudas oriundas de sementes foi maior do que o enraizamento de miniestacas obtidas por mudas de estacas.