ESTUDO DE AMOSTRAS DE BIODIESEL EXÓTICOS ATRAVÉS DA TÉCNICA DE LENTE TÉRMICA

  • Luiz Fernando Milleri Sangiorgio
  • Wellington da Costa Silva
  • Maria Priscila Pessanha de Castro

Resumo

Os combustíveis fósseis, não renováveis, liberam grandes quantidades de gases poluentes que potencializam o efeito estufa, poluem o meio ambiente. Diante disso fazse necessário buscar novas alternativas energéticas. Atualmente o biodiesel é uma das fontes renováveis mais utilizadas no Brasil. Devido a isto é de suma importância a busca de novas metodologias para a caracterização deste material. A caracterização térmica por meio das Técnicas Fototérmicas vem sendo muito utilizada no estudo de diversos materiais, por ser não destrutiva e por ser sensível. A Técnica Fototérmica escolhida para a caracterização térmica do biodiesel foi a Técnica de Lente Térmica. O efeito de Lente Térmica ocorre quando há deposição de calor na amostra através da absorção de luz. Através desta técnica obtemos a propriedade térmica conhecida como difusividade. A configuração experimental utilizada foi de feixe duplo modo descasado, como feixe de excitação utilizamos um laser de Argônio em 488 nm, e para provar o efeito de lente térmica usamos o laser de He-Ne em 632,8 nm. Com o objetivo de estudar o comportamento das proriedades térmicas em função da temperatura variamos a temperatura de 15 a 60°C. As amostras de biodiesel analisadas foram: sebo, porco, arroz, oliva, peixe, peixe destilado e peixe com carvão ativado. Os valores da difusividade obtidos para o biodiesel de sebo, porco, arroz, oliva variaram de 0,99±0,0027 a 1,04±0,0035 (cm2/s.10-3) e os valores do biodiesel peixe 2,33±0,018 a 2,84±0,026 (cm2/s.10-3). Observamos que as amostras de biodiesel de peixe apresentam valores de difusividade 64,4% maior que a difusividade das demais amostras analisadas neste trabalho.