USO DO MODELO DE HODGKIN-HUXLEY PARA SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE POTENCIAL DE AÇÃO

  • João Paulo Silva Fernandes
  • Maria Eduarda Mendes Carvalho
  • Renan Zuba Parrela

Resumo

Os seres humanos são movidos a estímulos comportamentais regidos, principalmente, pelas células presentes no sistema nervoso central e periférico. Muitas patologias, tais como epilepsia e “mal” de Parkisson, estão diretamente associadas à frequência dos impulsos e outros aspectos dos neurotransmissores. Dessa forma, estudar o fenômeno que ocorre nos neurônios do âmbito biológico à descrição computacional tem sido de grande importância, visto que pode colaborar em métodos de diagnósticos e/ou de tratamentos na neurociência. Em 1952, Hodgkin e Huxley propuseram modelos que correlacionavam a diferença de potencial elétrico entre os meios intra e extracelular (potencial de membrana) com o potencial de repouso do axônio de lula gigante. A partir deste grande feito, cujo mérito foi reconhecido com um Nobel, cientistas tem atestado a aplicabilidade das equações com uso de dados diversos. Com o exposto, o presente trabalho objetivou avaliar o comportamento do modelo de Hodgkin-Huxley com software Matlab e dados da literatura existente. Assim, pôde-se concluir, que a simulação ocorreu conforme o esperado e os gráficos representaram o real processo biológico, uma vez que o emprego das equações ocorreu como se fosse para organismo vivo.
Publicado
21-12-2018