Infância, mito da feliz(cidade) e a dimensão coercitiva da assistência social

Palavras-chave: Infância, Cidade, Direitos, Assistência Social, CRESS

Resumo

O artigo resulta de levantamento bibliográfico e de pesquisa-ação junto ao Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro (CRESS 7ª Região). Objetiva problematizar a concepção de infância e a dimensão coercitiva da assistência social. Diante da violência promovida pelo Estado, a infância pauperizada, longe de uma ilusória felicidade, tem recebido duros golpes. A proteção social, que tem na política de assistência social um dos seus principais pilares, tem revelado inúmeras contradições. Estas ficaram mais evidentes no período dos grandes eventos internacionais, quando a criminalização dos pobres por parte do Estado e as contradições inerentes às políticas sociais culminaram em violações dos direitos de crianças e adolescentes. Chega-se à conclusão de que o Estado atende aos interesses econômicos das classes dominantes ao reprimir a população, independente da faixa etária. E o CRESS, como conselho profissional que orienta e fiscaliza o exercício profissional de assistentes sociais, mesmo sem ser um movimento social ou um sindicato, tem desempenhado um papel legítimo na organização política e contribuído para a mobilização da sociedade civil na garantia de direitos do público infantojuvenil e no enfrentamento à coerção estatal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Silva Lima, Universidade Federal Fluminense (ESS/UFF), Niterói/RJ
Doutor em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor Adjunto da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (ESS/UFF) – Niterói – Brasil. E-mail: rodrigorrod@hotmail.com.

Referências

ABEPSS. Relatório do Grupo Temático de Pesquisa: GTP Serviço Social, Geração e Classes Sociais: sessão temática do Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social (ENPESS). Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2018.

AGUIAR, T. Topografia de um desnudo. Roteiro de Ariane Porto. Drama. Brasil, 2009. (86 min), color. Distribuição própria.

ALTOÉ, S. Infâncias perdidas: o cotidiano nos internatos-prisão. Rio de Janeiro: Xenon, 1990.

ALVIM, M. R. B. (org.). Da violência contra o “menor” ao extermínio de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Infância da UFRJ/Centro Brasileiro para Infância e Adolescência, NEPI, CBIA, 1992.

ARANTES, E. M. Rostos de Crianças no Brasil. In: PILOTTI, F.; RIZZINI, I. (org.). A Arte de Governar Crianças: A História das Políticas Sociais, da Legislação e da Assistência à Infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Ninõ, OEA, AMAIS Livraria e Editora, Universidade Santa Úrsula, 1995.

ARIÈS, P. História Social da criança e da família. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1981.

AZEVEDO, M. A.; GUERRA, V. (org.). Infância e Violência Doméstica. São Paulo: Cortez, 1993.

BATISTA, M. V.; GUARÁ, I. (coord.). Abrigo: Comunidade de acolhida e socioeducação. São Paulo: NECA, 2010.

BATISTA, V. M. Difíceis ganhos fáceis: drogas e juventude pobre no Rio de Janeiro Rio de Janeiro: Revan, 2003. (Coleção Pensamento Criminológico).

BRASIL. Lei 8.069, de 13.07.1990:Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 5 ago. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social. Resolução nº. 145, de 15 de outubro de 2004. Diário Oficial da União, de 28 de outubro de 2004, 2005.

BRITES, C. M. Serviço Social tem alternativas à internação compulsória. Entrevista. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2013. Disponível em: http://www.cfess.org.br/visualizar/noticia/cod/982. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRITO, F.; VILLAR, A.; BLANK, J. Será Guerra? In: BRITO, F.; ROCHA, P. (org.). Até o último homem: visões cariocas da administração armada da vida social. São Paulo: Boitempo, 2013.

CAMPOS, A. Do quilombo à favela: a produção do espaço criminalizado no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

CANO, I. Como se fossem entulho. Jornal O Globo, Rio de Janeiro, 10 set. 2009. Opinião.

CARVALHO, M. C. B. (coord.). Trabalhando abrigos. Caderno de Ação, São Paulo, Instituto de Estudos especiais, IEE, PUC, SP, Centro Brasileiro para Infância e Adolescência, CBIA, n. 3,1993.

CECIF. CENTRO DE CAPACITAÇÃO E INCENTIVO À FORMAÇÃO. Dialogando com abrigos. In: Encontro Estadual de Abrigos de São Paulo, 1., 2004, São Paulo.

CFESS. CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Resolução nº 273, de 13 março de 1993: Código de Ética do/a Assistente Social. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_1993.pdf Acesso em: 5 out. 2020.

COIMBRA, C. M. B.; NASCIMENTO, M. L. Jovens pobres: o mito da periculosidade. In: FRAGA, P.; LULIANELLI, J. A. S. (org.). Jovens em tempo real. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

CONSTANTINO, E. P. Meninos institucionalizados: a construção de um caminho. São Paulo: Arte e ciência, 2000.

COUTINHO, C. N. Pluralismo: dimensões teóricas e políticas. Caderno ABESS 4. São Paulo: Cortez, 1995.

CUNHA, J. R. Orçamento público e fundo da infância e da adolescência. In: CUNHA, J. R.; DINIZ, A. (org.). Visualizando apolítica de atendimento à criança e ao adolescente. Rio de Janeiro: Litteris Editora; KroArt: Fundação Bento Rubião, 1998.

DIMENSTEIN, G. O cidadão de papel: a infância, a adolescência e os direitos humanos no Brasil. São Paulo: Ática, 2005.

DONZELOT, J. A Polícia das Famílias. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

EURICO, M. C. Tecendo tramas acerca de uma infância sem racismo. Revista em Pauta, n. 45, Rio de Janeiro: Faculdade de Serviço Social da UERJ, 2020. Disponível em:https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaempauta/article/view/47214. Acesso em: 20 jul. 2020.

FALEIROS, V. P. Infância e processo político no Brasil. In: PILOTTI, F.; RIZZINI, I. (org.). A Arte de Governar Crianças: A História das Políticas Sociais, da Legislação e da Assistência à Infância no Brasil. 1. ed. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Ninõ, OEA, AMAIS Livraria e Editora, Universidade Santa Úrsula, 1995.

FALEIROS, V. P.; MORAES, P. Paradoxos da resolubilidade das denúncias de violência sexual na perspectiva dos conselheiros tutelares. O Social em Questão, n. 35, Rio de Janeiro: PUC-Rio: Departamento de Serviço Social, 2016.

FIGUEIRÓ, M. E. S. S. Acolhimento institucional: a maioridade e o desligamento. Jundiaí: Paço Imperial, 2012.

GARCIA, J. Pedagogia do medo e o combate à prática da drogadição. In: GARCIA, J.; LANDIM, L. DAHMER, T. (org.) Sociedade e políticas: novos debates entre ONGs e universidade. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

GARCIA, J.; PACHECO, D. R. Entre o difuso e o oculto: o enfrentamento da exploração sexual contra crianças e adolescentes no âmbito do CREAS. O Social em Questão, n. 35. Rio de Janeiro: PUC-Rio: Departamento de Serviço Social, 2016.

GATTO, M. E. Os indesejáveis:das práticas abusivas e ideologia dominante no enfrentamento aos sujeitos indesejáveis no Rio de Janeiro. 2017. Tese (Doutorado) –Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana, UERJ, Rio de Janeiro, 2017.

GATTO, M. E. O outro lado de uma política de governo na reprodução e perpetuação de desumanidades: o recolhimento de crianças e adolescentes em situação de rua na cidade do Rio de Janeiro. 2011. Dissertação (Mestrado) –Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana, UERJ: Rio de Janeiro, 2011.

GILABERTE, C. et al. A atuação do CRESS e da Comissão de Assistência Social na Operação e Plano Verão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ASSISTENTES SOCIAL (CBAS), 80 ANOS DE SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL,15., 2016, Olinda, PE. Anais [...].

GNACCARINI, J. C. O trabalho infantil agrícola na era da alta tecnologia. In: MARTINS, J. de S. (coord.). O Massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1991.

GÓES, W. L. Racismo e eugenia no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl. São Paulo: Liber Ars, 2018.

GONÇALVES, R. Novo desenvolvimentismo e liberalismo enraizado. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, 2012.

GRACIANI, M. S. Pedagogia social de rua: análise e sistematização de uma experiência vivida. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2001.

IANNI, O. Capitalismo, violência e terrorismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

IASI, M. L. De onde vem o conservadorismo? Blog da Boitempo, 15 abr. 2015. Disponível em http://blogdaboitempo.com.br/2015/04/15/de-onde-vem-o-conservadorismo/. Acesso em: 20 ago. 2020.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LEITE, L. C. Meninos de rua: a infância excluída do Brasil. São Paulo: Editora Ática, 2001.

LEMOS, M. P. GIUGLIANI, S. Educador social de rua. In: PAICA-RUA (org.). Meninos e meninas em situação de rua: políticas integradas para a garantia de direitos. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNICEF, 2006.

LIMA, R. Orçamento Municipal dos Abrigos no Rio de Janeiro: velhos e novos dilemas. 2013. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UERJ: Rio de Janeiro, 2013.

LIMA, R. O mistério do orçamento dos abrigos no Rio de Janeiro. Revista Textos e Contextos, Porto Alegre, 2015.

LIMA, R. Convivência comunitária para que e para quem? In: FRENTE NACIONAL DOS PREFEITOS. FNP. Projeto Rio 2016:Olimpíadas dos Direitos de Crianças e Adolescentes. Rio de Janeiro: União Europeia, EU, Iscos Piemont, Viva Rio, CEDECA, PCRJ, SMDS, UNICEF, 2016.

MARTINS, J. S. (coord.). Introdução. In: MARTINS, J. S. O Massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1991.

MARX, K. Para a crítica da economia política do capital (o rendimento e suas fontes). São Paulo: Editora Nova Cultural, 2000. (Coleção Os Pensadores).

MAURIEL, A. P. O. Combate à pobreza na América Latina: impasses teóricos e ideológicos na construção da política social contemporânea. Ser Social, Programa de Pós-graduação em Política Social da UnB, n. 18, 2006.

NEDER, G. Ajustando o foco das lentes: um novo olhar sobre a organização das famílias no Brasil. In: KALOUSTIAN, S. M. Família brasileira, a base de tudo. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNICEF, 2004.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

NEVES, D. P. A perversão do trabalho infantil: lógicas sociais e alternativas de prevenção. Niterói: Intertexto, 1999.

NOGUEIRA NETO, W. Por um sistema de promoção e proteção dos direitos humanos de crianças e adolescentes. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 83, 2005.

OLIVEIRA, H. C.; DISTLER, S. D. C. Posicionamento do Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro. In: MONTOGOMERY, A. et al. (org.) Recolhimento e internação compulsória: uma política violadora de direitos humanos. Rio de Janeiro: CEDECA, 2013.

OLIVEIRA, O. S. Impasses à cidadania dos adolescentes no Brasil: o medo e o ódio nos projetos parlamentares sobre o SINASE (2012-2019).2020. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Serviço Social da UERJ, Rio de Janeiro, 2020.

PEREIRA JÚNIOR, A. Um país que mascara seu rosto. In: BEZERRA, J. L.; PEREIRA JÚNIOR, A.; HERINGER, R. (org.). Os impasses da cidadania: a infância e adolescência no Brasil. Rio de Janeiro: IBASE,1992.

PILOTTI, F. Crise e perspectivas da assistência à infância na América Latina. In: PILOTTI, F.; RIZZINI, I. (org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Niño, Amais Livraria e Editora, 1995.

REIS, E. M. et al. (org.). 30 anos da Convenção sobre os Direitos da Criança: avanços e desafios para meninas e meninos no Brasil. São Paulo: UNICEF, 2019.

RIO DE JANEIRO (cidade). Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS). Resolução no 20, de 27 de maio de 2011. Cria e regulamenta o protocolo do serviço especializado em abordagem social, no âmbito das ações da proteção social especial de média complexidade da Secretaria Municipal de Assistência Social. Disponível em: http://smaonline.rio.rj.gov.br/legis_consulta/37082Res%20SMAS%2020_2011.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020.

RIZZINI, I. Crianças e adolescentes em conexão com a rua. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2019.

RIZZINI, I.; RIZZINI, I. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafio presente. Rio de Janeiro: Editora PUC-RJ; São Paulo: Editora Loyola, 2004.

RIZZINI, I.; WIIK, F. B. O que o Rio tem feito por suas crianças? Rio de Janeiro: A4MÃOS, Centro de Estudos sobre o Meno, Universidade Santa Úrsula, 1990.

RODRIGUES, M. Assistencialização da seguridade e do Serviço Social no Rio de Janeiro: notas críticas de um retrocesso. Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 91, especial 2007.

SADECK FILHO, F. J. O orçamento público federal e a garantia de prioridade absoluta de crianças e adolescentes nas políticas públicas. 2010. Dissertação (Mestrado) ‒ Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Formação Humana, Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2010.

SALES, M. A. (In)visibilidade perversa: adolescentes infratores como metáfora da violência. São Paulo: Cortez, 2007.

SALVADOR, E.; ALVES, M. C. L. O abandono dos direitos assistenciais do ECA na execução orçamentária. Revista Sociedade em Debate, Pelotas, n. 18, 2012.

SANTOS, B. R. Enfrentamento da exploração sexual infantojuvenil. São Paulo: Canone, 2010.

SILVA, A. P. C. A política de drogas na “Cidade Maravilhosa”: pedras no meio do caminho. 2017. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Desenvolvimento Regional, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

SILVA, M. L. O. Entre Proteção e Punição: Controle Socio penal dos Adolescentes. 1. ed. São Paulo: Editora UNIFESP, 2011.

SILVA, R. Os filhos do governo: formação da identidade criminosa em crianças órfãs e abandonadas. São Paulo: Ática, 1997. (Série Fundamentos).

SPOSATI, A. Transitoriedade da felicidade da criança brasileira. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 130, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n130/0101-6628-sssoc-130-0526.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

SUGUIHIRO, V. L. T.; TELLES, T. S.; BARROS, M. N. F. Os direitos de crianças e adolescentes na perspectiva orçamentária. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 105, 2011.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, 2005

TROTSKY, L. Minha vida: ensaio autobiográfico. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

VIDAS em risco: assassinatos de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua (MNMMR), Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE); Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP), 1992.

VOLPI, M. Sem liberdade e sem direitos: a privação de liberdade na percepção do adolescente. São Paulo: Cortez, 2001.

WACQUANT, L Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Instituto Carioca de Criminologia, F Bastos, 2001.

Publicado
31-12-2020
Como Citar
LIMA, R. S. Infância, mito da feliz(cidade) e a dimensão coercitiva da assistência social. Revista Vértices, v. 22, n. Especial, p. 748-771, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático: "Violência de Estado e política social"