Mulas e Mulheres no Brasil: uma questão de gênero, justiça e interseccionalidade

Palavras-chave: Mulheres, Justiça, Mercado de Drogas, Mulas, Interseccionalidade

Resumo

Mulas e mulheres na história do Brasil: uma questão de gênero, justiça e interseccionalidade têm por objetivo mostrar como a associação da mulher que atua como mula no mercado de drogas não é uma questão do acaso. Resultado de uma pesquisa bibliográfica com teses e dissertações produzidas na última década (2006-2016) sobre mulheres presas pelo crime de tráfico de drogas nas cinco regiões do país, obteve-se, enquanto um dos resultados, o aprisionamento de grande parte dessas mulheres como trabalhadoras do mercado informal e ilícito de drogas na condição laboral de mulas. Destaca-se a relação intrínseca entre modo de produção capitalista e sistema de justiça, em que esse último não só assegura o direito privado à propriedade, bem como cria mecanismos seletivos e criminalizatórios dirigidos aos segmentos mais pobres e destituídos de direitos na sociedade, esse também composto por mulheres. Tudo isso tem sido determinante para a manutenção do caráter seletivo do sistema de justiça e penal no Brasil, cujos fundamentos filosóficos manifestam-se numa ação permanente, determinando o aprisionamento de pessoas a partir de sua condição de classe, raça, gênero e perpetrada violação do direito à cidadania.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana das Flores Duarte, Universidade Federal de São Paulo Campus Baixada Santista, Santos/SP
Doutora (2016-2019) pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da PUC/RS. Professora do Curso de Serviço Social da Universidade Federal de São Paulo Campus Baixada Santista – Santos/SP – Brasil. E-mail: joana.fduarte@yahoo.com.br.

Referências

ARA. Annual Report and Accounts 2016. Disponível em: https://www.hsbc.com/investors/results-and-announcements/annual-report. Acesso em: 20 jul. 2020.

BIELLA, J. B. Trajetórias e rotina de prisioneiras por tráfico de drogas: autoras e coadjuvantes. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Centro de Filosofia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/90756. Acesso em: 20 ago. 2020.

BORGES, L. A. Mulas em movimento: o mercado interno brasileiro e o negócio de tropas, primeira metade do século XIX. Anos 90, Porto Alegre, v. 23, n. 44, p. 207-230, dez. 2016.

BOURGOIS, P. Em busca de respeito: vendendo crack em Harlem. 1. ed. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores Argentina, 2015.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. INFOPEN Mulheres, Brasília, jun. 2014. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. SANTOS, T. (org.); ROSA, M. I. et al. (colab.). INFOPEN Mulheres. 2. ed. Brasília, jun. 2017.Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen. Acesso em: 20 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Painel Interativo dezembro/2019. Atualizado em junho de 2020. Disponível em: http://antigo.depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen. Acesso em: 2 out. 2020

BRASIL. Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas. SISNAD. Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

BRASIL. Polícia Federal. Estatística de Drogas Apreendidas. Disponível em: http://www.pf.gov.br/imprensa/estatistica/drogas Acesso em: 20 jul. 2020.

CACERES, J. G. À Margem das Fronteiras Legais: trajetórias sociais de mulheres envolvidas com o tráfico de drogas na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. 2015. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26296. Acesso em: 20 ago. 2020.

CARNEIRO, L. G. S. Mulas, Olheiras, Chefas & Outros Tipos: heterogeneidade nas dinâmicas de inserção e permanência de mulheres no tráfico de drogas em Brasília-DF e na Cidade do México. 2015. 412 f., il. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

COSTA LIMA, M. T. Histórias de vidas de mulheres condenadas pelo tráfico de drogas: um estudo sobre identidade de gênero.2016. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEPB_2880456b635a0396da3c4cc14e8ce0a7. Acesso em: 20 ago. 2020.

CHERNICHARO, L. P. Sobre mulheres e Prisões: seletividade de gênero e crime de tráfico de drogas no Brasil. 2014. Dissertação (Mestrado em Direito) - Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://neip.info/. Acesso em: 20 ago. 2020.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Fem. [online], v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. ISSN 1806-9584. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.Disponível em:https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2002000100011&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 2 out. 2020.

DUARTE, J. F. Despossuídas do Século XXI: mulheres no mercado de drogas no Brasil na última década (2006-2016). 2019. Tese (Doutorado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, Porto Alegre, 2019.

FEDERICI, S. O ponto Zero da Revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Tradução de Coletivo Sycorax, São Paulo: Elefante, 2019.

FEITOSA DE LIMA, L. D. Presa em Flagrante: uma análise da inserção das mulheres no tráfico de drogas. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB, 2016. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFCG_e4283dfca4417551758538b55f66a3d2. Acesso em: 20 ago. 2020.

HELPES, S. S. Vidas em Jogos: um estudo sobre mulheres envolvidas com o tráfico de drogas. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, 2014. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/RecordUFJF_42ec551472c8b49449278d29a57497e4. Acesso em: 20 ago. 2020.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 20 jul. 2020.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/. Acesso em: 20 jul. 2020.

MARX, K. Os Despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira. Tradução Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2017.

MOREIRA, V. S. Impactos do Envolvimento de Mulheres Presidiárias com o Fenômeno das Drogas. 2012. Dissertação (Mestrado) –Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/1569. Acesso em: 20 ago. 2020.

OEDT. Relatório Europeu sobre Drogas: Tendências e evoluções, Serviço das Publicações da União Europeia, Luxemburgo, 2019. Disponível em: https://europa.eu/european-union/about-eu/agencies/emcdda_pt. Acesso em: 20 ago. 2020

OIT. INTERNATIONAL LABOUR OFFICE. Global Employment Trends for Youth 2017: Paths to a better working future. Geneva: ILO, 2017. Disponível em: https://www.ilo.org/global/publications/books/global-employment-trends/WCMS_598669/lang--en/index.htm. Acesso em: 20 ago. 2020.

OLIVEIRA, M. M.S. Como vender balinha: a presença das mulheres no tráfico de drogas. 2014. Dissertação (Mestrado em Sociologia) –Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/8223. Acesso em: 20 ago. 2020.

ONU. ORGANIZAÇÃO NACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Disponível em: https://nacoesunidas.org/. Acesso em: 20 jul. 2020.

PRADO, H. Z. A. O Comércio de Drogas Ilegais na Trajetória de Trabalho de Mulheres Presas na Penitenciária Feminina do DF. 2016. 155 f. Dissertação (Mestrado em Política Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2016. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/20793. Acesso em: 20 ago. 2020.

RAMOS, L. S. Por amor ou pela dor? Um olhar feminista sobre o encarceramento de mulheres por tráfico de drogas. 2012. Dissertação (Mestrado em Direito Estado e Constituição) – Faculdade de Direito, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2012. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/13758. Acesso em: 20 ago. 2020.

SERQUEIRA LIMA, C. P. As Mulheres na Rede do Tráfico de Drogas em Alagoas. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016.

UNODC. World Drug Report 2018: Women and drugs Drug use, drug supply and their consequences. Disponível em: https://www.unodc.org/wdr2018/prelaunch/WDR18_Booklet_5_WOMEN.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

UNODC. World Drug Report. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2019/. Acesso em: 20 ago. 2020.

UNODC. Women and Drugs: Drug use, drug supply and their consequences. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2019/. Acesso em: 20 ago. 2020.

UNODC. Executive Summary Conclusions and Policy Implications. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2019/. Acesso em: 20 ago. 2020.

UNODC. World Drug Report 2020. Disponível em: https://wdr.unodc.org/wdr2020/. Acesso em: 2 jul. 2020.

Publicado
31-12-2020
Como Citar
DUARTE, J. DAS F. Mulas e Mulheres no Brasil: uma questão de gênero, justiça e interseccionalidade. Revista Vértices, v. 22, n. Especial, p. 871-888, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático: "Violência de Estado e política social"