Proposta de uma matriz de risco para programa de gerenciamento de risco em atividades rotineiras

Palavras-chave: Avaliação, Matriz, Perigo, Risco

Resumo

Atividades profissionais podem causar lesão ao trabalhador e sua ocorrência varia de acordo com a probabilidade e gravidade. Diante da necessidade de estabelecer um modelo que possa auxiliar o gestor de risco a priorizar ações em atividades rotineiras de trabalho, este estudo por meio de aplicação de contexto legal e normativo, legislações previdenciárias, normas regulamentadoras e de pesquisas, propõe a aplicação de uma matriz de risco para avaliação dos fatores e ou fontes de risco ocupacional. A matriz inclui análise de probabilidade (improvável, provável e altamente provável), gravidade (sem lesão, lesão leve, lesão grave ou doença ocupacional e fatal ou incapacidade permanente) e do número de trabalhadores, e tem como resultado quatro tipos de graduação: Risco Crítico, Alto, Moderado e Baixo. Atividades de risco crítico têm prioridade nas ações de eliminação de risco, seguida pelo risco alto, moderado e baixo. Atividades de risco crítico, além da rotina de trabalho, devem também incluir uma análise de risco, quando essa não for exigida por alguma normativa. Atividades de risco crítico e alto devem fazer parte de inspeções periódicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderson Lyrio Bermudes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santos (IFES) Campus Vitória, Vitória/ES
Doutor em Ciências Florestais pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santos (IFES) Campus Vitória, Vitória/ES – Brasil. E-mail: wbermudes@ifes.edu.br.

Referências

ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 31010: Gestão de riscos: Técnicas para o processo de avaliação de riscos. Rio de Janeiro: ABNT, 2012. p. 96.

BERMUDES, W. L. Metodologia de avaliação de risco de acidentes na colheita florestal. 2018. 95 p. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Agrárias e Engenharias, Jerônimo Monteiro, ES, 2018.

BORDAS, R. M. et al. Documentation of hazards and safety perceptions for mechanized logging operations in east central Alabama. Journal of agricultural safety and health, v. 7, n. 2, p. 113-123, 2001.

BRASIL. Lei n.º 8.213, de 24 de julho. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília, jul. 1991.

BRASIL. Ministério da Economia. Secretária do Trabalho. Norma Regulamentadora 09: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, 2019.

BRASIL. Ministério da Economia. Secretária do Trabalho. Norma Regulamentadora 01: Disposições gerais e gerenciamento de riscos ocupacionais, 2020.

FLORIANI NETO, A. B.; RIBEIRO, M. C. P. Função tributária e acidentes laborativos: uma análise dos custos transacionais. Nomos, Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Ceará, v. 35, n. 2, 2016.

GADOW, K. V. Evaluating risk in forest planning models. Silva Fennica, v. 34, n. 2, p. 181-191, 2000.

ITANI, A.; VILELA JUNIOR, A. Meio ambiente & saúde: desafios para a gestão. InterfacEHS, Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, v. 1, n. 3, abr. 2007.

LEONARDO, A.; BRÁS, I. Avaliação de riscos profissionais em atividade industrial têxtil. Millenium, p. 37-51, 2010.

MANUELE, F. A. Prevention through design addressing occupational risks in the design and redesign processes. Professional Safety, v. 53, n. 10, 2008.

OLIVEIRA, G. N. et al. Correlação das categorias de classificação de risco com aspectos clínicos e desfechos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 24, p. 1-9, 2016.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a prevenção de acidentes rodoviários. Genebra: OMS, 2004.

PORTO, M. F. S. Cadernos de Saúde do Trabalhador: Análise de riscos nos locais de trabalho: conhecer para transformar. São Paulo: Kingraf, 2000. 43 p.

TRUCCO, P.; CAVALLIN, M. A quantitative approach to clinical risk assessment: The CREA method. Safety Science, v. 44, n. 6, p. 491-513, 2006.

VINODKUMAR, M. N.; BHASI, M. Safety management practices and safety behaviour: Assessing the mediating role of safety knowledge and motivation. Accident Analysis & Prevention, v. 42, n. 6, p. 2082-2093, 2010.

Publicado
01-06-2021
Como Citar
BERMUDES, W. L. Proposta de uma matriz de risco para programa de gerenciamento de risco em atividades rotineiras. Revista Vértices, v. 23, n. 2, p. 580-589, 1 jun. 2021.
Seção
Artigos Originais