Migração Internacional no Brasil: persistências históricas e tendências contemporâneas

Palavras-chave: Imigração, Novas situações migratórias, Política Migratória no Brasil

Resumo

O aumento dos deslocamentos forçados no mundo tem sido evidenciado por dados de organizações internacionais. O artigo contextualiza a migração internacional contemporânea no Brasil como um dos múltiplos fenômenos articulados ao fôlego de expansão capitalista, especialmente a partir dos anos 2000, quando se intensificaram a imigração fronteiriça de nacionalidades haitiana, congolesa, bengali e senegalesa. A partir de referências bibliográficas e análise documental, discutimos que, a despeito de termos conquistado uma legislação reconhecidamente avançada em relação ao refúgio e uma recente lei de migração, no Brasil, a administração estatal da questão migratória se dá muito mais com controle e seletividade, através de mecanismos jurídicos extraordinários, do que com garantias, conduzindo um processo de inclusão e exclusão de imigrantes que remonta aos antecedentes da política migratória brasileira e se alinha ao discurso e práticas internacionais, com crescente perspectiva securitária que delimita a imigração como questão de segurança nacional e criminalizante. Evidencia-se, especialmente a partir de 2016, o afastamento brasileiro dos compromissos internacionais de proteção aos direitos humanos dos migrantes, o que tem causado situações concretas no cotidiano desses sujeitos como ausência ou dificuldade de acesso a serviços de atendimento, perpetuação da situação de migração provisória ou indocumentada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Áurea Cristina Santos Dias, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói/RJ
Doutora em Serviço Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Professora Assistente na Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) – Niterói/RJ – Brasil. E-mail: aureadias@id.uff.br.  

Referências

ACNUR. AGÊNCIA DA ONU PARA REFUGIADOS. Global Trends Forced Displacement 2019.Geneve: ACNUR, 2020. Disponível em: https://www.unhcr.org/5ee200e37.pdf Acesso em: 2 ago. 2020.

ALFREDO, R. Efeitos da emigração: BrainDrain, BrainGain e desenvolvimento. O Social em Questão, Rio de Janeiro: PUC-Rio, v. 21, n. 41, maio/ago. 2018.

ALVES, L. A. Crimigração como Prática Securitária no Aeroporto Internacional de Guarulhos. 2017. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, UNESP, UNICAMP, PUC-SP, 2019.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

BASSO, P. [Entrevista concedida a] Juan Andrés Gallardo. Ideias de Esquerda, 5 jul. 2020. Disponível em: https://www.esquerdadiario.com.br/Entrevista-com-Pietro-Basso-Na-Europa-os-imigrantes-podem-ser-o-motor-de-um-despertar-geral. Acesso em: 10 jul. 2020.

BASSO, P. Prefácio. In: VILLEN, P. (In)visíveis globais: imigração e trabalho no Brasil. São Paulo: Alameda, 2018.

BATISTA, V. O.; PARREIRA, C. G. Trabalho, Imigração e o Direito Internacional dos Direitos Humanos. Publica Direto. Disponível em:http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=47a3893cc405396a. Acesso em: 25 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13445.htm. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.474, de 22 de julho de 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951 e determina outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9474.htm.Acessoem: 12 ago. 2020.

BRASIL. Ministério de Justiça e Segurança Púbica. MJSP. Refúgio em números. 4. ed. 2019. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/refugio-em-numeros Acesso em: 18 ago. 2020.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Brasileiros no Mundo. Brasília, 2020. Disponível em: http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/noticias/censo-ibge-estima-brasileiros-no-exterior-em-cerca-de-500-mil.Acesso em: 18 ago. 2020.

BRASIL. Defensoria Pública da União. OIM. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Uma introdução às migrações internacionais no Brasil contemporâneo: Módulos 1 e 3. Brasília, 2018.

CASTLES, S.; MILLER, M. La era de la migración: movimientos internacionales de población en el mundo moderno. México: Universidad Autónoma de Zacatecas, 2004.

CAVALCANTI, L; OLIVEIRA, T.; MACEDO, M. Imigração e Refúgio no Brasil. In: Observatório das Migrações Internacionais; Ministério da Justiça e Segurança Pública; Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração Laboral. Relatório Anual 2019.Brasília, DF: OBMigra, 2019. (Série Migrações).

CINCO Avanços da Nova Lei de Migração. Conectas DH, 2019. Disponível em: https://www.conectas.org/noticias/cinco-avancos-da-nova-lei-de-migracao Acesso em: 15 ago. 2020.

CINTRA, N. Colonialismo jurídico e a nova Lei de Migração: entre estratégias de sobrevivência e a proteção ilusória do direito. Coluna Empório Decolonial, 2020. Disponível em:https://emporiododireito.com.br/leitura/colonialismo-juridico-e-a-nova-lei-de-migracao-entre-estrategias-de-sobrevivencia-e-a-protecao-ilusoria-do-direito Acesso em: 22 maio 2020.

DELFIM, R. B. Só 5% das cidades brasileiras com imigrantes têm serviços de apoio, aponta IBGE. Migramundo,2019. Disponível em: https://www.migramundo.com/so-5-das-cidades-brasileiras-com-imigrantes-tem-servicos-de-apoio-aponta-ibge/. Acesso em: 20 jan. 2020.

DEMIER. F. Depois do Golpe: a dialética da democracia blindada no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2017.

FERNANDES, D. O Brasil e a Migração Internacional no século XXI: notas introdutórias. In: PRADO, J. P.; COELHO, R. (org.). Migrações e Trabalho. Brasília: Ministério Público do Trabalho, 2015.

HOCHSCHILD, A. R. Love and gold. Family, Ties and Care: Family Transformation in a Plural Modernity. Revista DPU, p. 177, 2011. Disponível em: http://www.dpu.def.br/esdpu. Acesso em: 3 ago. 2020.

LISBOA, M. V. Ascenso da extrema-direita, xenofobia e crise do capitalismo. In: BAPTISTA, D. M. T.; MAGALHÃES, L. F. A. (org.). Migrações em expansão no mundo em crise. São Paulo: EDUC: PIPEq, 2020. p. 25-40.

MATTOS, M. B. A Classe Trabalhadora: de Marx ao nosso tempo. São Paulo: Boitempo, 2019.

OIM. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. La migración y los migrantes: Una perspectiva global. Informe sobre las Migraciones en el Mundo. Genebra: OIM, 2020. Disponívelem: http://www.iom.int. Acesso: 2020.

OIT. INTERNATIONAL LABOUR OFFICE. Women and men in the informal economy: a statistical picture. Geneva: ILO, 2018. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/lang--en/index.htm Acesso em: 30 mar. 2020.

PAIVA, A. R. Operação Acolhida: Entre a Militarização e a Assistência Social. In: EIPS, 8., ENPS, 15., 2020, UFES, Vitória. Anais[...]. Disponível em https://periodicos.ufes.br/einps. Acesso em: 2020.

PAIVA, A. R.; DIAS, Á. C. S. Política Social no Brasil e o desafio manifesto da imigração e refúgio. In: CONGRESO INTERNACIONAL ALAS, 32., 2019, Lima, Peru.

PARDO, C. R. As Redes Migratórias Político-Comunitárias tecidas pelas Mulheres Vítimas do Desplazamiento na Colômbia. O Social em Questão, Rio de Janeiro: PUC-Rio, v. 21, n. 41, maio/ago. 2018.

PÓVOA NETO, H. O erguimento de barreiras à migração e a diferenciação dos “direitos à mobilidade”. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 16, n. 31, p. 394–400, 2008.

PÓVOA NETO, H. In: SEMINÁRIO 20 ANOS DEPOIS: A CONTEMPORANEIDADE DO PENSAMENTO DE ABDELMALEK SAYAD (1933-1998). São Paulo: PUCSP, UNICAMP, UNIMONTES, Missão Paz, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ex13PE9nBIY Acesso em: 19 set. 2019.

QUINTANILHA, K. Notas históricas sobre "pessoa perigosa" e a deportação sumária da Portaria 666. Revista Consultor Jurídico, 2019. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-ago-07/karina-quintanilha-notas-historicas-pessoa-perigosa Acesso em: 10 ago. 2019.

SASSEN, S. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

SEGUY, F. Migração dos Haitianos. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL, 4., ENCONTRO NACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL, 11., 9 jun. 2016, UFES. Tema: Mobilidade do capital e barreiras às migrações: desafios à Política Social.

SINGER, P. Economia Política da Urbanização. São Paulo: Brasiliense, 1980.

UNHCR. UNITED NATIONS HIGH COMMISSIONER FOR REFUGEE. Global trends forced displacement 2019. Geneve: ACNUR, 2020.

VILLARREAL, M. Regionalismos e migrações internacionais na América do Sul: contexto e perspectivas futuras sobre as experiências da Comunidade Andina, do Mercosul e da Unasul. Revista Espaço Aberto, v. 8, n. 2, p.131-148, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/article/view/20197. Acesso em: 2020.

VILLEN, P. (In)visíveis globais: imigração e trabalho no Brasil. São Paulo: Alameda, 2018.

VILLEN, P. As médicas-imigrantes cubanas e os preconceitos encadeados. Brasil Debate, 2018a. Disponível em: https://brasildebate.com.br/as-medicas-imigrantes-cubanas-e-os-preconceitos-encadeados/. Acesso em: 03 dez. 2019.

WIHTOL DE WENDEN, C. As novas migrações. Revista Sur, Dossiê sobre Migrações e Direitos Humanos, v. 13, n. 23, p. 17-28, 2016.

Publicado
31-12-2020
Como Citar
DIAS, ÁUREA C. S. Migração Internacional no Brasil: persistências históricas e tendências contemporâneas. Revista Vértices, v. 22, n. Especial, p. 851-870, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático: "Violência de Estado e política social"