Pistas para análise da violência contra as mulheres em tempos de crise: aproximações e desafios no contexto de pandemia no Brasil

Palavras-chave: Violência contra as mulheres, Crise capitalista, Pandemia

Resumo

A pandemia do novo coronavírus atingiu o planeta colocando em evidência a crise estrutural do capital e, longe de se revelar como uma infecção democrática, provocou o colapso em diversos países, pondo em relevo as contradições, as desigualdades e os limites do capitalismo como modo de produção e reprodução da vida. Neste artigo, buscamos uma aproximação à análise da violência contra as mulheres nesse contexto, entendendo-a também como produto e produtora desse sistema, que necessita de forma particular e exponencial do trabalho e do corpo-território das mulheres para a sua manutenção. Assim, a partir de uma leitura ampliada da violência contra as mulheres, o texto aponta conexões entre diversas expressões dessa violência e a sua centralidade para as novas formas de acumulação de capital em tempos de crise, que, no contexto da pandemia, se agudizam na exploração e opressão cada vez maiores das mulheres, em particular das mulheres racializadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Milena Fernandes Barroso, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)
Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2018). Professora do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Instituto de Ciências, Educação e Zootecnia - ICSEZ – Parintins/AM – Brasil. E-mail: mibarroso@yahoo.com.br.

Referências

ALMEIDA, S. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro, Pólen, 2019.

ARRUZA, C.; BHATTACHARYA, T.; FRASER, N. Feminismo para os 99%: manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BARROSO, M. F. Rotas críticas das mulheres Sateré-Mawé no enfrentamento à violência doméstica: novos marcadores de gênero no contexto indígena. Manaus: Edua, 2015.

BARROSO, M. F. O começo do fim do mundo: violência estrutural contra mulheres no contexto da hidrelétrica de Belo Monte. 2018. 385p. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Serviço Social, Rio de Janeiro, 2018.

BRUM, E. A pandemia expôs o apartheid não oficial do Brasil em toda a sua brutalidade. Entrevista com Eliane Brum. Portal Geledés, 3 maio 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/a-pandemia-expos-o-apartheid-nao-oficial-do-brasil-em-toda-a-sua-brutalidade-entrevista-com-eliane-brum/. Acesso em: 30 ago. 2020.

CIMI. CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. Povos indígenas acionam o Supremo para impedir genocídio. 30 jun. 2020. Disponível em: https://cimi.org.br/2020/06/povos-indigenas-acionam-o-supremo-para-impedir-genocidio/. Acesso em: 30 ago. 2020.

CRUZ, E. F. Ação política, transformação social e re-construção de identidades: um olhar a partir do feminismo para a militância das mulheres rurais nos movimentos sociais. 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008.

DAVIS, A. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

ENGELS, F. A origem da família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Escala, 1987.

FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017a.

FEDERICI, S. Mulheres e caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. São Paulo: Boitempo, 2019.

FEDERICI, S. Notas sobre Gênero em “O Capital” de Marx. Revista Movimento: crítica, teoria e ação, set. 2017b. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2017/09/genero-o-capital-marx-feminismo-marxista. Acesso em: 20 dez. 2017.

FBSP. FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Nota técnica: violência doméstica durante a pandemia de covid-19. 16 abr. 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

GAGO, V. A potência feminista, ou o desejo de transformar tudo. São Paulo: Elefante, 2020.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores Sociais Mínimos (ISM). 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/condicoes-de-vida-desigualdade-e-pobreza/17374-indicadores-sociais-minimos.html?=&t=resultados. Acesso em: 30 ago. 2020.

IPAM. INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZÔNIA. Área desmatada a ser queimada em 2020 pode superar os 4,5 mil km2. 8 jun. 2020. Disponível em: https://ipam.org.br/area-desmatada-na-amazonia-a-ser-queimada-em-2020-pode-superar-os-45-mil-km2/. Acesso em: 30 ago. 2020.

ISA. INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Covid-19 e os povos indígenas. 2020a. Disponível em: https://covid19.socioambiental.org/. Acesso em: 30 ago. 2020.

ISA. INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Desigualdade racial é evidenciada na pandemia da Covid-19. 8 maio 2020b. Disponível em: https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-monitoramento/desigualdade-racial-e-evidenciada-na-pandemia-da-covid-19. Acesso em: 30 ago. 2020.

JURUNA, S. Belo Monte de violações. In: OLIVEIRA, J. P. de; COHN, C. (org.). Belo Monte e a questão indígena. Brasília: ABA, 2014.

KRENAK, A. O amanhã não está à venda. São Paulo: Cia. das Letras, 2020.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

NOBRE, M. Violência e desigualdade no Brasil. São Paulo: Sempreviva Organização Feminista, 2017.

OIT. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho doméstico. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/temas/trabalho-domestico/lang--pt/index.htm. Acesso em: 30 ago. 2020.

OXFAM BRASIL. Super-ricos estão ficando com quase toda riqueza, às custas de bilhões de pessoas. 23 jan. 2018. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/noticias/super-ricos-estao-ficando-com-quase-toda-riqueza-as-custas-de-bilhoes-de-pessoas/. Acesso em: 30 ago. 2020.

PNUD. PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório do Desenvolvimento Humano 2019: Além do rendimento, além das médias, além do presente: desigualdades no desenvolvimento humano no século XXI. 2019. Disponível em: http://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr_2019_pt.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

QUEBRANDO o tabu. A humanidade, ela deu errado. 15 jun. 2020. Instagram: @quebrandootabu. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CBb1GXXgUnX/?igshid=9i8pma1lzubh. Acesso em: 30 ago. 2020.

SAFFIOTI, H. Mulher brasileira: opressão e exploração. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

SARAIVA, L.; CARDOSO, A. Nota técnica: execução orçamentária da saúde indígena diante da pandemia do novo coronavírus. São Paulo: Instituto de Estudos Socioeconômicos, Inesc, 2020. Disponível em: https://www.inesc.org.br/wp-content/uploads/2020/08/Nota-Te%CC%81cnica-de-Sau%CC%81de-Indi%CC%81gena_V02.pdf. Acesso em: 30 ago. 2020.

SCARAMUZZI, I. A resistência dos quilombolas de Oriximiná à mineração. In: NOBRE, Miriam. Violência e desigualdade no Brasil. São Paulo: Sempreviva Organização Feminista, 2017.

SILVA, M. V. Violência contra a mulher: quem mete a colher? São Paulo: Cortez, 1992.

Publicado
31-12-2020
Como Citar
BARROSO, M. F. Pistas para análise da violência contra as mulheres em tempos de crise: aproximações e desafios no contexto de pandemia no Brasil. Revista Vértices, v. 22, n. Especial, p. 889-906, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático: "Violência de Estado e política social"