A importância dos indicadores sociais nas pesquisas voltadas para as relações raciais

Palavras-chave: Raça, Racismo, Indicadores sociais

Resumo

Estudos voltados para a análise das relações raciais mostram que, no Brasil, a leitura social do fenótipo se constitui em um dos principais elementos de classificação social. Diante disto, este trabalho se propõe a investigar, à luz das Ciências Sociais Aplicadas e com base nos teóricos que tratam do tema, como tais categorias foram construídas e ressignificadas quando se trata de avaliação de políticas sociais no estado brasileiro. Nossa intenção com este artigo é realizar uma análise teórica a respeito da produção de indicadores sociais tendo como elemento central as categoriais sociais pretos e pardos. Seu desenvolvimento encontra-se estruturado da seguinte forma: iniciamos com a Teoria dos Campos de Pierre Bourdieu como um dos elementos teóricos que baseiam este estudo. Em seguida o artigo aborda a forma como as relações raciais no Brasil são construídas e reproduzidas. O texto se encerra com a busca em compreender a importância da escolha e construção de indicadores para a avaliação de políticas sociais.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Lourenço, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói/RJ
Assistente Social da Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense (UFF). Doutoranda do Programa de Estudos Pós Graduados em Política Social da Universidade Federal Fluminense (UFF) – Niterói/RJ – Brasil. E-mail: cristianelourencodoutoradouff@gmail.com.

Referências

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte, MG: Letramento, 2018.

ANDERSON, P. Balanço do Neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995. p. 09-23.

ANDRÉ, M. C. O ser negro: a construção da subjetividade em afrobrasileiros. Brasília: LGE, 2008.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2010.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

COSTA, S. A Construção Sociológica da Raça no Brasil. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 35-61, 2002.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978.

GOMES, N. L. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GUIMARÃES, A. S. Como trabalhar com "raça" em sociologia. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 93-107, jan./jun. 2003.

GUIMARÃES, A. S. Raça, classes e democracia. São Paulo: Editora 34, 2002.

GUIMARÃES, A. S. Racismo e Anti-Racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

HASENBALG, S. Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

JANNUZZI, P. M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-160, abr./jun., 2005.

KERN, G. S. Educar é eugenizar: racialismo, eugenia e educação no Brasil (1870-1940). 2016. 208 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

MUNIZ, J. O. Sobre o uso da variável raça-cor em estudos quantitativos. Ensaio. Revista Sociologia Política, Curitiba, v. 18, n. 36, p. 277-291, 2010.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem, Tempo Social. Revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2006.

PIZA, E.; ROSEMBERG. F. Cor nos censos brasileiros. Revista USP, São Paulo, p. 122-137, dez./fev. 1998-99.

SANTAGADA, S. Indicadores sociais: uma primeira abordagem social e histórica. Pensamento Plural, Pelotas, p. 113-142, jun./dez. 2007.

SARAVIA, E. Introdução à Teoria da Política Pública. In: SARAVIA, E.; FERRAREZI, E. Políticas Públicas Brasília: ENAP, 2006. (Coletânea, v. 1).

SCHWARCZ, L. M. História da Vida Privada no Brasil: Contrastes da Intimidade Contemporânea. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1998.

SENKEVICS, A. et al. A cor ou raça nas estatísticas educacionais: uma análise dos instrumentos de pesquisa do INEP. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2016.

SILVA, A. P. P. O contrário de casa grande não é senzala: É quilombo! A categoria práxis negra no pensamento social de Clóvis Moura. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação em Serviço Social, Rio de Janeiro, 2017.

SIMÕES, A.; ALKIMIM, A. C. Indicadores sociais: passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: IBGE, Gerência de Biblioteca e Acervos Especiais, 2017.

SUBIRATS, J. Definición del Problema. Relevancia Pública y Formación de la Agenda de Actuación de los Poderes Públicos. In: SARAVIA, E.; FERRAREZI, E. Políticas Públicas. Brasília: ENAP, 2006. (Coletânea, v. 2).

TELLES, E. O Significado da Raça na Sociedade Brasileira. Princeton: Princeton University Press, 2004. Título original: Race in Another America: The Significance of Skin Color in Brazil.

Publicado
01-06-2021
Como Citar
LOURENÇO, C. A importância dos indicadores sociais nas pesquisas voltadas para as relações raciais. Revista Vértices, v. 23, n. 2, p. 501-514, 1 jun. 2021.
Seção
Artigos Originais