A qualidade do Ensino Médio Integrado frente à reforma pela Lei 13.415/17

Palavras-chave: Ensino médio integrado, Educação profissional, Formação omnilateral

Resumo

O Ensino Médio Integrado obteve conquistas, como o Decreto 5.154/04, que o instituiu, a Lei 11.892/08 de criação dos Institutos Federais e a Resolução n° 6 do Conselho Nacional de Educação, com diretrizes curriculares dessa modalidade. Entretanto, a atual reforma do Ensino Médio, Lei 13.415/17, pode prejudicar tal modalidade separando a Educação Profissional da Básica, reduzindo carga horária propedêutica e eliminando disciplinas de Humanas. Diante desse cenário, buscou-se neste trabalho defender a qualidade do Ensino Médio Integrado, no seu formato atual como educação básica e profissional indissociáveis e formação omnilateral, levantando seus possíveis diferenciais para carreira, formação continuada e cidadania, junto a egressos que atuam na indústria petrolífera no norte do estado do Rio de Janeiro. Verificou-se que das 209 pessoas que acessaram o questionário aplicado, 129 responderam e consideraram essa modalidade um diferencial para: o mundo do trabalho (79,1%); base geral e científica (71,3%); busca do ensino superior na área (59,7%) e consciência cidadã (45,7%). Esses resultados reforçam a importância e qualidade do Ensino Médio Integrado enquanto formação indissociável e omnilateral, que reflete positivamente na vida dos seus egressos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Gomes da Silva
Mestrando em Engenharia de Produção e Sistemas Computacionais na Universidade Federal Fluminense. Especialista em Docência na Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Brasil. E-mail: julianogsilva@yahoo.com.br.
Francisco Frederico Pelinson Arantes, Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba/MG
Doutor em Agroquímica pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professor no Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba – Rio Pomba/MG – Brasil. E-mail: frederico.arantes@ifsudestemg.edu.br.

Referências

ARAÚJO, A.; SILVA, C. N. Ensino médio integrado no Brasil: fundamentos, práticas e desafios. Brasília: IFB, 2017.

BONFIM et al. Ensino Médio Integrado no Contexto dos Institutos Federais de Educação: Um Mapeamento Sistemático. Revista Labor, Fortaleza, v. 1, n. 21, 2019. DOI: https://doi.org/10.29148/labor.v1i21.40196. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/labor/article/view/40196. Acesso em: 28 mar. 2022.

BRASIL. Lei 5.692, agosto 1971. Fixa diretrizes e bases para o 1.º e 2.º graus e dá outras providências.

BRASIL. Lei 9.394, dezembro 1996. Estabelece diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. Decreto 2.208, abril 1997. Regulamenta o art. 36 e 39 a 42 da Lei n.º 9.394.

BRASIL. Decreto 5.154, julho 2004. Regulamenta o art. 36 e 39 a 41 da Lei n.º 9.394.

BRASIL. Lei 11.741, julho 2008. Altera dispositivos da Lei n.º 9.394.

BRASIL. Lei 11.892, dezembro 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.

BRASIL. Resolução CNE/CEB Nº 6, setembro 2012. Define Diretrizes Curriculares para Educação Profissional Técnica de Nível Médio.

BRASIL. Resolução CNS Nº 510, abril 2016. Dispõe sobre pesquisas em Ciência Humanas e Sociais.

BRASIL. Medida Provisória 746, setembro 2016. Altera a Lei 9.394 e a Lei 11.494.

BRASIL. Lei 13.415, fevereiro 2017. Altera a Lei 9.394.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, janeiro de 2021. Define Diretrizes Curriculares para Educação Profissional e Tecnológica.

CARNEIRO, M. A. O nó do ensino médio. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. 285p., 23 cm. ISBN 9788532642943

FERRETTI, C. J. A reforma do Ensino Médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Estudos Avançados, v. 32, n. 93, p. 25-42, 2018. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-4014.20180028. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/RKF694QXnBFGgJ78s8Pmp5x/?lang=pt. Acesso em: 29 mar. 2022.

GIL, A. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, 2002.

IPEA. Boletim IPEA, n. 66, abr. 2019.

MONASTA, A. Antonio Gramsci. Tradução Paolo Nosella. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

MORAES, G.; ALBUQUERQUE, A. E. As estatísticas da educação profissional e tecnológica: silêncios entre os números da formação de trabalhadores. Brasília: Inep/MEC, 2019.

PIQUET, R.; TAVARES, E.; PESSÔA, J. M. Emprego no setor petrolífero: dinâmica econômica e trabalho no Norte Fluminense. Cad. Metrop., São Paulo, v. 19, n. 38, p. 201-224, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2017-3808. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cm/a/mGCHT7YynjV9vcQN6TmgsNx/?lang=pt. Acesso em: 28 mar. 2022.

RAMOS, M. N. Ensino Médio Integrado: da Conceituação à Operacionalização. Caderno de Pesquisa em Educação, v. 9, n. 39, p. 15-29, 2014. DOI: https://doi.org/10.22535/cpe.v0i39.10243. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/educacao/article/view/10243. Acesso em: 28 mar. 2022.

RAMOS, M. N. Ensino Médio Integrado: lutas históricas e resistências em tempos de regressão. EPT em Revista, Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, v. 1, n. 1, 2017. DOI: https://doi.org/10.36524/ept.v1i1.356. Disponível em: https://ojs.ifes.edu.br/index.php/ept/article/view/356. Acesso em: 28 mar. 2022.

SCHWARTZMAN, S. Educação média e profissional no Brasil: situação e caminhos. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

Publicado
04-04-2022
Como Citar
SILVA, J. G. DA; ARANTES, F. F. P. A qualidade do Ensino Médio Integrado frente à reforma pela Lei 13.415/17. Revista Vértices, v. 24, n. 1, p. 156-167, 4 abr. 2022.
Seção
Artigos Originais