“No princípio era o verbo”: a escrita de Resistência e identitária nas produções da Casa dos Estudantes do Império

Palavras-chave: Poesia anticolonial, Casa dos Estudantes do Império, Identidade

Resumo

No coração da metrópole, entre os anos de 1944 e 1965, a Casa dos Estudantes do Império (CEI) foi responsável pela formação de uma parte da intelectualidade africana que lutou contra o colonialismo português em África. Personalidades como Amílcar Cabral, Agostinho Neto, entre outros, se transformariam em personagens fundamentais nessa luta contra a opressão. O objetivo deste artigo é analisar alguns poemas produzidos por membros da Casa e que estão compilados nas obras Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império, tendo como destaque os escritores angolanos. Ademais, para uma melhor compreensão, faz-se necessária uma contextualização histórica da Casa e do seu papel na formação de uma consciência anticolonial e identitária para esses membros, que ecoaria futuramente em seus países de origem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Esperança da Costa, Faculdade Santa Marcelina (FASM), Muriaé/MG
Doutor em Letras: Estudos Literários pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Professor de Literatura Brasileira e Coordenador do Curso de Letras na Faculdade Santa Marcelina – Muriaé/MG – Brasil. E-mail: l.esperanca@yahoo.com.br.

Referências

ABREU, A. Libertação. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1959. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

ANTÓNIO, M. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1959. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

BÍBLIA. João. Português. In: Bíblia Sagrada. 213. ed. São Paulo: Ave-Maria, 2018. p. 1384-1413.

CASTELO, C. Casa dos Estudantes do Império (1944-1965): uma síntese histórica. In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

CÉSAIRE, A. Diário de um retorno ao país. Trad. Lilian Preste de Almeida. São Paulo: Edusp, 2012.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. Trad. Claudio Willer. São Paulo: Veneta, 2020.

CÉSAIRE, A.; MOORE, C. (org.). Discurso sobre a Negritude. Trad. Ana Maria Gini Madeira. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

COUTINHO, A. S. B. Os sócios cabo-verdianos e guineenses da Casa dos Estudantes do Império: socialização e trajetórias políticas. In: CASTELO, C.; JERÓNIMO, M. B. (org.). Casa dos Estudantes do Império: dinâmicas coloniais, conexões transnacionais. Lisboa: Edições70, 2017.

CRUZ, V. Makèzú. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1962. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

DÁSKALOS, A. Despertar. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1962. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

ERVEDOSA, C. Roteiro da Literatura Angola. 2. ed. Lisboa: Edições 70, 1979.

FREUDENTHAL, A. Um olhar sobre a CEI (nos arquivos de Salazar e da Pide). In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

FREYRE, G. Um brasileiro em terras portuguesas. Lisboa: Livros do Brasil, 1953.

GOMES, M. Exortação. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1959. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

LIMA, M. S. Recordando a Casa dos Estudantes do Império. In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

MARGARIDO, A. A Literatura e a Consciência Nacional. In: FREUDENTHAL, A. et al. (org.). Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994a. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

MARGARIDO, A. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1962. In: FREUDENTHAL, A. et al. (org.). Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994b. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

MARQUES, M. L. L. Maurício Gomes e a (Re)invenção da poesia angolana. Cadernos Imbondeiro, João Pessoa, v. 2, n. 1, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ci/article/view/14166/8767. Acesso em: 22 ago. 2021.

MATA, I. A Casa dos Estudantes do Império e o lugar de consciencialização política. Lisboa: UCCLA, 2015.

MOORE, C. Negro sou, Negro ficarei!: A Negritude segundo Aimé Césaire. In: CÉSAIRE, A.; MOORE, C. (org.). Discurso sobre a Negritude. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

PEPETELA. A geração da Utopia. Alfragide: Leya/RTP, 2017.

QUERIDO, J. O «espírito» da CEI. In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

RIBEIRO, M. C. Para além da memória da Casa dos Estudantes do Império. In: CASTELO, C.; JERÓNIMO, M. B. (org.). Casa dos Estudantes do Império: dinâmicas coloniais, conexões transnacionais. Lisboa: Edições70, 2017.

ROCHA, E. A Casa dos Estudantes do Império nos anos de fogo: depoimento sobre a acção política da juventude africana na CEI no quadro da luta pela libertação nacional das colónias portuguesas. In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

ROSAS, F. A CEI no contexto da política colonial portuguesa. In: ROSINHA, M. R.; FREUDENTHAL, A. Mensagem: Casa dos Estudantes do Império 1944-1994. 2. ed. Lisboa: UCCLA, 2015.

SARTRE, J. P. Orfeu Negro. In: SARTE, J. P. Reflexões sobre o racismo. Trad. J. Guinsburg. 2. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1960.

VICTOR, B. O menino negro não entrou na roda. Poetas Angolanos. Lisboa, CEI, 1959. In: FREUDENTHAL et al. Antologias de Poesia da Casa dos Estudantes do Império 1951-1963. Lisboa: ACEI: Gráfica 2000, 1994. v. 1: Angola e S. Tomé e Príncipe.

Publicado
04-04-2022
Como Citar
COSTA, L. E. DA. “No princípio era o verbo”: a escrita de Resistência e identitária nas produções da Casa dos Estudantes do Império . Revista Vértices, v. 24, n. 1, p. 84-103, 4 abr. 2022.
Seção
Dossiê Temático: "Literaturas africanas de língua portuguesa"