"As mulheres do meu pai", um road movie de José Eduardo Agualusa

Palavras-chave: Literatura Angolana, José Eduardo Agualusa, Metaficção

Resumo

“As mulheres do meu pai”, sexto romance do escritor angolano José Eduardo Agualusa, publicado no ano de 2007, narra duas viagens ocorridas em simultâneo e imbrincadas: a viagem da protagonista Laurentina aos caminhos percorridos por Faustino Manso, seu recém-descoberto pai biológico; e a viagem do narrador, um escritor convidado a fazer um roteiro para um filme, que sonha e delineia a viagem de Laurentina; uma recriação ficcional da viagem realizada pelo próprio Agualusa pela África Austral. Mais que de um exemplo de narrativa de viagens, o presente trabalho objetiva aproximar a obra ao gênero cinematográfico de road movie, destacando mais uma estratégia do autor na composição de seu universo ficcional, já reconhecido pelo uso de estratégias textuais como a sobrevida de personagens, a metaficção, sobretudo em seus aspectos intertextuais, e a adaptação de elementos factuais da história angolana. Para tal, baseamo-nos, primordialmente, nos estudos de Umberto Eco acerca dos “bosques da ficção”; de Shuichi Kato acerca as noções de tempo e espaço; e Linda Hutcheon acerca da metaficção e da adaptação; além de entrevistas e textos jornalísticos que nos auxiliam na compreensão de sua simbiótica construção narrativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Flavia da Silva, Universidade Federal Fluminense, Niterói/RJ
Doutora em Letras (Letras Vernáculas) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2008). Professor Associado III de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa na Universidade Federal Fluminense - Niterói/RJ - Brasil. E-mail: renataflaviadasilva@gmail.com.
Lucas Silva Marciano dos Santos
Graduado em Marketing pela Universidade Estácio de Sá (2016). Aluno do Curso de Letras – Português na Universidade Federal Fluminense (UFF) – Niterói/RJ – Brasil. E-mail: lucasmarciano@id.uff.br.

Referências

AGUALUSA, J. E. Estação das chuvas. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

AGUALUSA, J. E. Estranhões & bizarrocos [estórias para adormecer anjos]. Lisboa: Dom Quixote, 2000.

AGUALUSA, J. E. O ano em que Zumbi tomou o Rio. Rio de Janeiro: Gryphus, 2002.

AGUALUSA, J. E. O vendedor de passados. Rio de Janeiro: Gryphus, 2004.

AGUALUSA, J. E. Passageiros em trânsito. Lisboa: Dom Quixote, 2006.

AGUALUSA, J. E. As mulheres do meu pai. Rio de Janeiro: Língua Geral, 2007a.

AGUALUSA, J. E. A força das coisas. [Entrevista concedida a] Luís Caetano. RTP, Portugal, 6 junho 2007b. Disponível em: https://arquivos.rtp.pt/conteudos/entrevista-com-jose-eduardo-agualusa/. Acesso em: 9 set. 2021.

AGUALUSA, J. E. Barroco tropical. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

AGUALUSA, J. E. [Entrevista concedida]. TV Brasil, Programa Roda Viva, 4 abr. 2011. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=VXrQFxhuI5w&t=665s. Acesso em: 9 set. 2021.

AGUALUSA, J. E. Fui para Sul: Os desenhos de Laurentina d’As mulheres do meu pai de Luanda à Ilha de Moçambique. Lisboa: Dom Quixote, 2012a.

AGUALUSA, J. E. Teoria geral do esquecimento. Rio de Janeiro: Foz, 2012b.

AGUALUSA, J. E. Os vivos e os outros. Lisboa: Quetzal, 2020a.

AGUALUSA, J. E. Memórias de um colecionador de luz. Jornal O Globo, 16 de maio de 2020b. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/memorias-de-um-colecionador-de-luz-24429224. Acesso em: 5 mar. 2021.

BRESSANE, J. O homem dos olhos doces. Rio de Janeiro: Imago, 2000.

COSTA, I. As mulheres do meu pai: De Luanda à Ilha de Moçambique, um road novel a bordo de um candongueiro. Boletín Galego de Literatura, n. 53, p. 5-29, 2. sem. 2018.

CUNHA, K. M.; RIBEIRO, A. P. Belo e sublime na perspectiva da obra crítica do juízo estético em Immanuel Kant. Goiás: UEG, 2018.

ECO, U. Seis passeios pelos bosques da ficção. Tradução Hildegard Fiest. São Paulo: Cia das Letras, 1994.

HUTCHEON, L. A poética do pós-modernismo. Tradução Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

HUTCHEON, L. Uma teoria da adaptação. Tradução André Cechinel. 2. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2013.

KANT, I. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime: ensaio sobre as doenças mentais. Campinas, SP: Editora Papirus, 1993.

KATO, S. Tempo e espaço na cultura japonesa. Tradução Neide Nagae e Fernando Chamas. São Paulo: Estação Liberdade, 2012.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

PADILHA, L. C. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. Rio de Janeiro: Pallas; Niterói: EdUFF, 1995.

RICŒUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Tradução Alain François et al. Campinas: Ed. UNICAMP, 2007.

SÉRGIO, J. Moçambique: Viagem vibrante pela ilha onde tudo começou. In: SÉRGIO, J. Volta ao mundo: Viagens em língua portuguesa, 28 nov. 2019, Disponível em: https://www.voltaaomundo.pt/2019/11/28/mocambique-viagem-vibrante-pela-ilha-onde-tudo-comecou-b/destinos/584076/. Acesso em: 3 mar. 2021.

Publicado
04-04-2022
Como Citar
SILVA, R. F. DA; SANTOS, L. S. M. DOS. "As mulheres do meu pai", um road movie de José Eduardo Agualusa. Revista Vértices, v. 24, n. 1, p. 19-33, 4 abr. 2022.
Seção
Dossiê Temático: "Literaturas africanas de língua portuguesa"