O ensino médio integrado na Base Nacional Comum Curricular: reflexões acerca de uma formação omnilateral e decolonial de Língua Espanhola

Autores

  • Ricardo Jorge de Sousa Cavalcanti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Maceió/AL
  • Gustavo Correia dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Santana do Ipanema/AL https://orcid.org/0000-0002-9250-0752

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v24n22022p350-370

Palavras-chave:

Ensino Médio Integrado, Decolonialidade, Educação Profissional e Tecnológica, BNCC, Língua Espanhola

Resumo

Este texto é resultado das discussões promovidas na disciplina Bases Conceituais para a Educação Profissional e Tecnológica. A metodologia se caracteriza como uma revisão bibliográfica em que o aporte teórico é, principalmente, a discussão pautada no Ensino Médio Integrado, na Base Nacional Comum Curricular - BNCC, além de documentos que regulamentam essa modalidade de ensino no Brasil, com foco no ensino de línguas adicionais, sobretudo, de língua espanhola: Orientações Curriculares para o Ensino Médio - OCEM, leis 11.161/2005 e 13.415/2017. Portanto, a presente discussão aborda conceitos-chave para a fundamentação do Ensino Médio Integrado, associando-os à Pedagogia Decolonial à luz da BNCC, pois estes conceitos representam uma práxis baseada na criação e construção de condições sociais, políticas, culturais de pensamento não hegemônico. A análise revela o processo de apagamento que, apesar do trabalho realizado pelo Movimento Fica Espanhol e pelas Associações de Professores de Espanhol e pelo Projeto de Lei 3.849/19, esse idioma vem sofrendo desde a revogação da Lei n.º 11.161/2005 pela Lei n.º 13.415/2017, denominada Lei da Reforma do Ensino Médio; afora isso, não há menção alguma quanto ao ensino de Espanhol na BNCC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Jorge de Sousa Cavalcanti, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Maceió/AL

Doutor em Linguística, com Estágio pós-doutoral em Linguística Aplicada. Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Rede Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/IFAL), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Maceió/AL - Brasil. E-mail: ricardo.cavalcanti@ifal.edu.br.

Gustavo Correia dos Santos , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Santana do Ipanema/AL

Mestrando em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/IFAL). Professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) Campus Santana do Ipanema/AL - Brasil. E-mail: gustavo.correia@ifal.edu.br.

Referências

BARROS, C.; COSTA, E.; GALVÃO, J. (org.). Dez anos da “Lei do Espanhol”: (2005 a 2015). Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2016.

BRANCO, E. P. et al. BNCC: a quem interessa o ensino de competências e habilidades?. Debates Em Educação, v. 11, n. 25, p. 155-171, 2019. DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p155-171. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7505. Acesso em: 21 jul. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Plataforma Nilo Peçanha. Disponível em: http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2021.html. Acesso em: 13 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 13 nov. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia: um novo modelo em educação profissional e tecnológica- concepção e diretrizes. Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/livreto_institutos.pdf. Acesso em: 13 nov. 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em: 17 nov. 2021.

CANDAU, V. M. F. Educación intercultural en América Latina: distintas concepciones y tensiones actuales. Estudios pedagógicos (Valdivia), v. 36, n. 2, p. 333-342, 2010. Disponível em: https://www.scielo.cl/pdf/estped/v36n2/art19.pdf. Acesso em: 24 jul. 2022.

CANDAU, V. M. F. Diferenças culturais, interculturalidade e educação em direitos humanos. Educação & Sociedade, v. 33, n. 18, p. 235-250, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/QL9nWPmwbhP8B4QdN8yt5xg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 25 jul. 2022.

CANDAU, V. M. F. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de pesquisa, v. 46, n. 161, p. 802-820, jul./set. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/198053143455. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/GKr96xZ95tpC6shxGzhRDrG/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 25 jul. 2022.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2012. p. 83-106.

DAHER, D. C.; SANT’ANNA, V. L. A. O espanhol nas OCEM. In: BARROS, C.; COSTA, E.; GALVÃO, J. Dez anos da “Lei do Espanhol”: (2005 a 2015). Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2016. p. 77-81.

DREIFUSS, R. A. 1964: A conquista do Estado. Petrópolis: Vozes, 1981.

FRIGOTTO, G. Concepções e mudanças no mundo do trabalho e o ensino médio. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. São Paulo: Cortez, 2012. p. 57-82.

FRIGOTTO, G. A polissemia da categoria trabalho e a batalha das ideias nas sociedades de classe. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, jan./abr. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000100014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/QFXsLx9gvgFvHTcmfNbQKQL/abstract/?lang=pt. Acesso em: 21 jul. 2022.

GONÇALVES, R. O.; BONFIM, V. S. Jornadas Bolivarianas. 12. ed. Florianópolis, 2017. Disponível em https://iela.ufsc.br/jornadas-bolivarianas/xiii-edicao/anais-da-xiii-edicao-das-jornadas-bolivarianas/jornadas-10. Acesso em: 24 nov. 2021.

GONÇALVES, A. I.; MARCHESAN, M. T. N. Interação e Língua Espanhola Nas Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Percursos Linguísticos, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 436-454, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/15469. Acesso em: 17 nov. 2021.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

KANASHIRO, D. S. K.; MIRANDA, A. K. P. Espanhol, presente! Discussão sobre o apagamento e a resistência do idioma em documentos oficiais. TEXTURA-Revista de Educação e Letras, Canoas/RS, v. 22, n. 50, p. 289-308, abr./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.17648/textura-2358-0801-v22n50-5480. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/view/5480. Acesso em: 21 jul. 2022.

LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. O ensino de outra (s) língua (s) na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: LEFFA, V. J.; IRALA, V. B. (org.). Uma espiadinha na sala de aula: ensinando línguas adicionais no Brasil. Pelotas: Educat, 2014. p. 21-48.

MACHADO, R.; CAMPOS, T. R.; SAUNDERS, M. C. História do Ensino de Línguas no Brasil: Avanços e Retrocessos. Revista HELB, Brasília: Universidade de Brasília, v. 1, n. 1, 2007. Disponível em: http://www.helb.org.br/index.php/revista-helb/ano-1-no-1-12007/98-historia-do-ensino-de-linguas-no-brasil-avancos-e-retrocessos. Acesso em: 16 nov. 2021.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (org.) El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983. v. 1.

MATOS, D. C. S. Linguística Aplicada e o SULear: práticas decoloniais na educação linguística em espanhol. Revista Interdisciplinar Sulear, v. 2, n. 2, Edição Especial Dossiê SULear, set. 2019. Disponível em: https://revista.uemg.br/index.php/sulear/article/view/4154. Acesso em: 21 jul. 2022.

MATOS, D. C. V. S. Educação linguística intercultural e decolonial em espanhol: propostas interseccionais. Polifonia, Cuiabá-MT, v. 27, n. 46, p. 116-134, abr./jun. 2020. Disponível em: https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/9488. Acesso em: 21 jul. 2022.

MIGNOLO, W. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103.

MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada e Vida Contemporânea: Problematização dos Construtos que Têm Orientado a Pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Editora Parábola, 2006.

MOURA, D. H.; GARCIA, S. R. O.; RAMOS, M. N. Educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio. Documento Base, Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/documento_base.pdf. Acesso em: 14 nov. 2021.

MOURA, D. H. Ensino médio integrado: subsunção aos interesses do capital ou travessia para a formação humana integral? Educ. Pesqui., São Paulo, v. 39, n. 3, p. 705-720, jul./set. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022013000300010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/c5JHHJqdxyTnwWvnGfdkztG/abstract/?lang=pt. Acesso em: 21 jul. 2022.

OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. F. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982010000100002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/TXxbbM6FwLJyh9G9tqvQp4v/abstract/?lang=pt. Acesso em: 21 jul. 2022.

OLIVEIRA, L. F. História da África e dos africanos na escola: desafios políticos, epistemológicos e identitários para a formação dos professores de História. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio, 2012.

OLIVEIRA, L. F. O que é uma educação decolonial. Nueva América, Buenos Aires, v. 149, p. 35-39, 2016. Disponível em: http://www.novamerica.org.br/ong/wp-content/uploads/2019/07/0149.pdf. Acesso em: 21 jul. 2022.

PARAQUETT, M. As dimensões políticas sobre o ensino da língua espanhola no Brasil: tradições e inovações. In: MOTA, K.; SCHEYERL, D. (org.). Espaços Linguísticos: Resistências e expansões. Salvador: UFBA, 2006. p. 115-146.

RAMOS, M. Concepção do ensino médio integrado. 2008. Fotocópia.

RODRIGUES, F. C. Vão as leis onde querem os reis: antecedentes da Lei n.º 11.161/2005. In: BARROS, C.; COSTA, E.; GALVÃO, J. Dez anos da “Lei do Espanhol”: (2005 a 2015). Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2016. p. 31-46.

SANT’ANA, W. P.; LEMOS, G. C.; SILVA, H. B. Ensino médio integrado à educação profissional: algumas concepções. Tecnia, v. 3, n. 1, p. 66-87, 2018. Disponível em: https://revistas.ifg.edu.br/tecnia/article/view/124. Acesso em: 21 jul. 2022.

WALSH, C. Introducción - (Re) pensamiento crítico y (de) colonialidad. In: WALSH, C. Pensamiento crítico y matriz (de)colonial: Reflexiones latinoamericanas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005. p. 13-35.

Publicado

16-09-2022

Como Citar

CAVALCANTI, R. J. de S.; SANTOS , G. C. dos. O ensino médio integrado na Base Nacional Comum Curricular: reflexões acerca de uma formação omnilateral e decolonial de Língua Espanhola. Revista Vértices, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 350–370, 2022. DOI: 10.19180/1809-2667.v24n22022p350-370. Disponível em: https://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/16525. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático: “A pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica: temas, abordagens e fontes”