Criança morta e Retirantes, refletindo sobre a questão ambiental no semiárido nordestino

  • Maurecir Guimarães Moraes Instituto Federal Fluminense
Palavras-chave: Portinari, Seca, Arte, Educação ambiental

Resumo

O artigo apresentado procura, através da Arte de Portinari, via quadros; Criança morta e Retirantes, tecer algumas considerações sobre a questão da seca no nordeste, procura mostrar que a obra de arte muitas vezes chama a atenção para assuntos que ainda não estão totalmente inseridos em sua própria época, demonstrando que o seu papel não é meramente ilustrativo. No caso específico, das obras apresentadas possibilitam a discussão sobre os impactos ambientais produzidos por um fenômeno natural e por aqueles produzidos pela ação humana na tentativa de corrigir um problema natural. Neste sentido, a Arte aparece como uma ferramenta poderosa para despertar a consciência ambiental pela Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurecir Guimarães Moraes, Instituto Federal Fluminense
Professor de arte do Instituto Federal Fluminense campus Cabo Frio. Mestrando em sistemas de Gestão na Universidade Federal Fluminense - Prof. orientador Dr. Armando Pereira do Nascimento Filho

Referências

A VERSATILIDADE de preferências no momento artístico. O Jornal, Rio de Janeiro, 1926.

AMARAL, José Luiz do. Artes plásticas significado e contexto. Porto Alegre: Tchê, 1987. 175 p.

FABRIS, Annateresa. Portinari, pintor social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1977. 230p.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

ALVES, José Jakson Amancio; NASCIMENTO, Sebastiana Santos. Transposição do rio São Francisco: (des)caminhos para o semi-árido do Nordeste brasileiro. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, Paraná, n. 99, ago. 2009.

BASTIDE, R. Arte e sociedade. São Paulo: Nacional, 1979.

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a Modernidade. O pintor da vida moderna. 3.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

DELORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. 4ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 1999.

FISHER, Ernst. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

GOLDEMBERG, J.; VILLANUEVA, L.D. Energia, Meio Ambiente & Desenvolvimento. São Paulo: EDUSP, 2003

HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Tradução de Maria Leopoldina de Almeida. Lisboa: Dom Quixote, 1998.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LI, K., A.; MAKARAU. Drought and Desertification, Reports to the Eleventh Session of the Comission for Climatology. WCASP-28, WMO, 1994.

PARANHOS, Maria Fernanda. EIA/RIMA para o licenciamento ambiental do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional. Disponível em: www.cimi.org.br/pub/publicacoes/1128978479_NT34EIARima.doc. Acesso em: 12 nov. 2011.

PICASSO, Pablo. Erosmemória. São Paulo: Massao Ohno, s.d.

PORCHER, Louis. Educação Artística: luxo ou necessidade?. São Paulo: Summus, 1982.

PORTINARI, Candido. /Carta/ 12 set. 1929 Paris /para/ Olegário Mariano. Rio de Janeiro (CO-4451).

PORTINARI, Candido. /Carta/ 12 jul.. 1930, Paris /para/ Rosalita Mendes de Almeida. Rio de Janeiro. (CO-4545).

POTER, Michael E.; KRAMER, Mark R. The link Between Competitive Advantage and Corporate Social Responsibility. Strategy & Society, Havard, p. 1-19, 2006.

REBOUÇAS, Aldo. A história da transposição do rio São Francisco. Revista Estudos Avançados, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, n.29, p. 136, 1997.

RIMA. Relatório de Impactos Ambientais. Projeto São Francisco. Disponível em <http://www.ana.gov.br/>. Acesso em: 18 ago. 2011.

SANTAELLA, Lucia. Por que a semiótica de Peirce também é uma teoria da comunicação. Comunicação e Linguagens, Lisboa, v. 29, p. 43-52, 2002.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da Linguagem e Pensamento. Sonora, Visual, Verbal. Aplicações na Hipermídia. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 2001. v. 1: 432 p.

SANTOS, Jose Luis dos. O que é cultura. São Paulo: Brasiliense, 2006.

SOBRINHO, Thomaz Pompeu. A história das secas século XX. Mossoró: Fundação Guimarães Duque, 1982.

SARTRE, Jean Paul. L imaaginaire. Paris: Gallimard, 1956.

TELLES, Goffredo Junior. Aristóteles, Arte Retórica e Arte Poética: estudo introdutório. São Paulo: Tecnoprint S.A.

VENÂNCIO; CORUMBA; GUIMARÂES. O último pau de arara. Disponível em:<http://www.vagalume.com.br/ze-ramalho/ultimo-pau-de-arara-2.html#ixzz1dIovklUk>. Acesso em: 2011.

Publicado
26-04-2012
Como Citar
MORAES, M. G. Criança morta e Retirantes, refletindo sobre a questão ambiental no semiárido nordestino. Revista Vértices, v. 14, n. 1, p. 81-92, 26 abr. 2012.
Seção
Artigos Originais