Determinantes sociopolíticos e culturais e as repercussões sobre o pré-natal de alto risco: um olhar do Serviço Social sobre seu exercício profissional em um hospital universitário

  • Adriana dos Santos Neves Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ
  • Marcia Cristina Brasil Santos Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ
Palavras-chave: Políticas públicas, Saúde da mulher, Gestação de alto risco, Determinantes sociais

Resumo

A gestação, por ser um fenômeno fisiológico, evolui, na maior parte dos casos, sem intercorrências. Mas há uma pequena parcela de gestantes, que, por terem características específicas ou por sofrerem algum agravo, apresenta maiores probabilidades de evolução desfavorável, tanto para o feto como para a mãe. Essa parcela constitui o grupo chamado de “gestantes de alto risco”. O acompanhamento do pré-natal dessas gestantes é diferenciado do daquelas de baixo risco, pois exige técnicas mais especializadas e necessita do nível secundário e terciário de assistência. Esse acompanhamento também exige considerar os aspectos objetivos e subjetivos que envolvem o termo “alto risco”, visto que o acompanhamento a esse tipo de gestação requer da mulher cuidados mais intensivos com a sua saúde e a do bebê, maior número de consultas - muitas usuárias são oriundas de outros municípios -, acompanhamento com especialista, uso de medicações específicas, hospitalizações durante a gravidez, o que causa implicações no trabalho, na rotina da família, entre outros. Tendo como referência o conceito ampliado de saúde e os determinantes sociais que envolvem o processo saúde-doença, o trabalho teve como objeto de estudo conhecer/identificar os impactos vivenciados no cotidiano das mulheres inseridas no pré-natal de alto risco do Hospital Universitário Pedro Ernesto, atendidas pelo Serviço Social. Os dados da pesquisa foram coletados no atendimento social realizado com essas mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana dos Santos Neves, Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ
Assistente Social atuante no Programa de Atenção à Saúde do Adulto do Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ, Especializanda em Serviço Social e Saúde pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: adriana.nevesrj@gmail.com.
Marcia Cristina Brasil Santos, Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ
Assistente Social atuante no Programa de Atenção à Saúde do Adulto do Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ, Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: mcristinabrasil@ hotmail.com.

Referências

ALENCAR, Mônica Maria Torres de. Família no Brasil dos anos 90: a precariedade nas condições de vida e trabalho. Em Pauta, Revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ, UERJ, RJ, n. 16, p.65-78, jan./jul. de 2000.

ARILHA, Margareth. Políticas Públicas de saúde, mulheres e DSTS/AIDS: reajustando o olhar. Coleção ABIA. Saúde sexual e reprodutiva, ABIA, Rio de Janeiro, n. 4, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. PAISM – Programa de Atenção à saúde da mulher, 1983. Política Nacional de Atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Brasília, Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gestação de alto risco: manual técnico. 3ª ed. Brasília Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Gestão de Políticas estratégicas. Área técnica de Saúde da Mulher, 2000.

BRASIL. Lei no. 11340 de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.

BRAVO, M I S. Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo: Cortez; RJ: UFRJ.

BRAVO, M. I. S.; MATOS, M.C. Projeto Ético-Político do Serviço Social e sua Relação com a Reforma Sanitária: elementos para o debate. Serviço Social e Saúde: Formação e trabalho Profissional. São Paulo: OPAS, OMS, MS, 2006.

BOSCHETTI, I.; BEHRING, E. R.; SANTOS, S. M. de M. dos; MIOTO, R. C. T. (Org.). Política Social no Capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2009.

CAVALCANTI, L. F.; ZUCCO, L. P. Política de saúde e serviço social. In: REZENDE, I.; CAVALCANTI, L. F. (Org.). Serviço Social e políticas sociais. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009. p. 67-82. (Série Didáticos).

COSTA, Ana Maria; AQUINO, Estela Leão. Saúde da mulher na reforma sanitária brasileira. In: COSTA, A.M.; MERCHAN-HAMANN, E.; TAJER, D. (Org.). Saúde e equidade de gênero: um desafio para as políticas públicas. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

COSTA, A.M. Desenvolvimento e implementação do PAISM no Brasil. In: GIFFIN, K.; COSTA, SH. (Org. ). Questões de saúde reprodutiva. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999. p. 319-336.

GALVÃO, Loren. Saúde sexual e reprodutiva, saúde da mulher e saúde materna: a evolução dos conceitos no mundo e no Brasil. In: GALVÃO, Loren; DIAZ, Juan. (Org.). Saúde sexual e reprodutiva no Brasil. São Paulo: Hucitec Population Council, 1999. Cap. 5.

HECKERT, Sonia Maria Rocha. Identidade e mulher no Serviço Social. Revista Serviço Social e Sociedade, Ed. Cortez, v.12, n. 36,. ago. 1991.

SCHRAIBER, Lília; D’OLIVEIRA, Ana Flavia. Violência contra mulheres: interfaces com a saúde. Interface – comunicação, saúde, educação, ago. 1999.

SANTOS et al. Prática educativa no campo da promoção da saúde: potencialidade dos grupos multidisciplinares no contexto hospitalar: O trabalho em saúde. Revista eletrônica Tempus Acta de Saúde Coletiva, UNB, v. 5, 2011.

SANTOS et al. Educação Permanente e Serviço Social: relatos sobre a experiência do Programa de Residência em Serviço Social de uma Universidade Pública. In: CBAS, 13., 2010, Brasília.

SANTOS, M.C.B. Gestão das Políticas de atenção a Gestante de alto risco no município do Rio de Janeiro: uma análise necessária. Projeto de Pesquisa - Instituto Fernandes Figueira - Fundação Oswaldo Cruz. Programa de pós-graduação em Saúde da Criança e da Mulher.

Publicado
26-04-2012
Como Citar
NEVES, A. DOS S.; SANTOS, M. C. B. Determinantes sociopolíticos e culturais e as repercussões sobre o pré-natal de alto risco: um olhar do Serviço Social sobre seu exercício profissional em um hospital universitário. Revista Vértices, v. 14, n. 1, p. 147-167, 26 abr. 2012.
Seção
Artigos Originais