Homossexualidade feminina: o caso do presídio Feminino Carlos Tinoco da Fonseca em Campos dos Goytacazes

  • Renata Souza Francisco Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Palavras-chave: Homossexualidade, Cárcere, Gênero, Dominação, Poder simbólico

Resumo

O objetivo deste artigo é mostrar que os envolvimentos homossexuais entre detentas vão além do discurso do senso comum de que essas relações se estabelecem puramente pelo fato de as mulheres se sentirem carentes. Por baixo das roupas masculinas estão mulheres que desejam segurança e privilégios que a nossa sociedade reserva exclusivamente aos homens. Por trás dos discursos e cartas apaixonadas estão encobertos interesses materiais e simbólicos. Na verdade as relações homossexuais reproduzem a ordem de gênero e principalmente a dominação masculina. O artigo se propõe ainda a identificar quais os fatores que levam as mulheres presas a estabelecerem relações homossexuais umas com as outras quando encarceradas; mostrar como o discurso e as práticas masculinizadas agregam valores e status entre a população carcerária feminina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Souza Francisco, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Graduada em Ciências Sociais, mestre em Sociologia Política pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF. Atualmente faz parte da equipe de pesquisadores do Atelier de Estudos de Gênero (ATEGEN), vinculado ao Laboratório de Estudos da Sociedade Civil e do Estado (LESCE-CCH) da UENF. E-mail: renata_souzacn@yahoo.com.br.

Referências

BADINTER, Elisabeth. XY: sobre a identidade Masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

________. Um é o outro: Relações entre homens e mulheres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

BRASIL. Congresso. Câmara dos Deputados. Relatório final da CPI do Sistema Carcerário: Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2006.

BRASIL. Decreto-lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 13 jul. 1984. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/L7210.htm>. Acesso em: 05 jan. 2011.

BRASIL. Decreto-lei nº 11.942, de 28 maio de 2009. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 maio 2009. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil/_Ato20072010/2009/Lei/L11942.htm#art1>. Acesso em: 05 jan. 2011.

BILA, Pessanha, Fábio. O médico, o padre e o jornalista: Mídia, justiça e homofobia em Campos dos Goytacazes. In: SILVA, Marinete dos Santos (Org.). Gênero, poder e tradição na terra do Coronel e do lobisomem. Rio de janeiro: Quartet: FAPERJ, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

BRITO, Mirella Alves de. O caldo da panela de pressão: Um olhar etnográfico sobre o presídio para mulheres em Florianópolis. 2007. 151 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, 2007.

CAPRIO, S. Frank. Homossexualidade Feminina. IBRASA: São Paulo, 1960.

CONCEIÇÃO, Isméri S., CONCEIÇÃO, José Geraldo, SILVA, Astir M. da, Homossexualismo feminino no manicômio judiciário de São Paulo. In: ENCONTRO NACIONAL DE SEXOLOGIA, 1. [1984?], [São Paulo?]. Anais... São Paulo: Fundo Editorial FEBRASGO, 1984.

CORRAZE, Jacques. L’homosexualité. 6. ed. Paris: PUF, 2000.

CUNHA, Manoela Ivone da. A reclusão segundo gênero: os estudos prisionais, a reclusão de mulheres e a variação dos contextos da Identidade. Ninho: Minerva, 2006.

________. A prisão feminina como “ilha de Lesbos” e “escola do crime”: discursos, representações, práticas. [Portugal: Centro de Estudos Judiciários, 1991]. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5248/3/A%2520pris%25C3%25A3o%2520como%2520ilha.pdf>. Acesso: 19 mar. 2015.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Loucura, gênero feminino: as mulheres do Junquery na São Paulo do início do século XX.Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 18, ago./set. 89.

DAVIS, Angela; DENT, Gina. A prisão como fronteira: uma conversa sobre gênero, globalização e punição. Estudos feministas, Florianópolis, UFSC, v. 11, n. 2, 2003.

DESIP. Manual do ASP: legislação aplicada. Rio de Janeiro: [S. n.], 1998. v.1.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FRY, Peter. O que é Homossexualidade. São Paulo: Brasiliense: Abril Cultural, 1985.

LAURENTI, Ruy. Homossexualismo e a classificação internacional de doenças. Revista de saúde pública, São Paulo, v. 18, n. 5, p. 344-347, out. 1984. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v18n5/02.pdf. Acesso em: 10 fev. 2011.

LEMGRUBER, Julita. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

LGBT. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2015. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=LGBT&oldid=41575952>. Acesso em: 26 jul. 2010.

LIMA, Elça Mendonça. Origens da Prisão Feminina no Rio de Janeiro: o período das freiras 1942-1955. Rio de Janeiro: Série OABRJ Pesquisas, 1983.

MELLO, Marcelo Pereira de. A casa de detenção da Corte e o perfil das mulheres presas no Brasil durante o século XIX. Gênero: Revista do Núcleo Transdisciplinar de Estudos de gênero: NUTEG, Niterói, v. 2, n. 1, 2000.

PERROT, Michelle. Mulheres Públicas. São Paulo: UNESP, 1998.

________. Os excluídos da história: mulheres, operários e prisioneiros. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

PIEDADE Jr, Heitor. Mulheres condenadas e presas: consequência de uma sociedade violenta, cruel e desigual. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciário, Brasília, jul./98-dez./99.

Publicado
27-07-2015
Como Citar
FRANCISCO, R. S. Homossexualidade feminina: o caso do presídio Feminino Carlos Tinoco da Fonseca em Campos dos Goytacazes. Revista Vértices, v. 17, n. 1, p. 7-21, 27 jul. 2015.
Seção
Artigos Originais