Falares da Planície Goitacá no ciberespaço: documentando o linguajar proveniente da Baixada Campista

  • Carlos Fabiano de Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Cabo Frio/RJ
Palavras-chave: Memória linguística, Preconceito linguístico, Identidade cultural, Ciberespaço

Resumo

A Baixada Goitacá, ou mesmo Baixada Campista, é uma região conhecida por possuir um curioso universo linguístico, por vezes negligenciado pelos falantes das novas gerações. Pode-se dizer que, com o crescimento da região Norte Fluminense, muitos dos vocábulos e expressões utilizados tempos atrás parecem ter caído em desuso. Dessa maneira, o presente trabalho busca investigar a página de fãs do Facebook, Campista Cabrunco, por acreditar ser esse um espaço virtual propício ao resgate e à documentação de expressões linguísticas tipicamente encontradas na Planície Goitacá — uma forma de manter viva e passar adiante a memória linguística de gerações passadas através do ciberespaço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Fabiano de Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Cabo Frio/RJ
Licenciado em Letras (Universo, Campos dos Goytacazes/RJ), especialista em Metodologia do Ensino de Língua Inglesa (Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC, Salvador/BA). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (campus Cabo Frio) e da Rede Municipal Pública de Ensino de Macaé/RJ. E-mail: carlosfabiano.teacher@gmail.com.  

Referências

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.

BARCELOS, A. A Linguagem da Baixada Goitacá. Rio de Janeiro: Lucerna, 1992.

CALVET, L. J. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.

CAMPISTICIDADE. Folha da Manhã, Campos dos Goytacazes, 07 set. 2007. Folha Dois, p. 1-2.

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

OURIVES, P. Reminiscências Culturais dos Aceiros de Cana da Baixada Campista. Disponível em: <http://pauloaourivesnipecreminiscencias.blogspot.com.br>. Acesso em: 10 fev. 2013.

PAIVA, M. C. Transcrição de dados linguísticos. In: MOLLICA, M. C.; BRAGA, M. L. Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2012.

SOUZA, C. F. Memes: formações discursivas que ecoam no ciberespaço. VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/ RJ, v.15, n. 1, p. 127-148, jan./abr. 2013.

VON SIMSON, O. R. M. Memória, cultura e poder na sociedade do esquecimento: Augusto Guzzo. Revista Acadêmica, São Paulo, n.º6, p. 14-18, maio 2003.

Publicado
27-07-2015
Como Citar
DE SOUZA, C. F. Falares da Planície Goitacá no ciberespaço: documentando o linguajar proveniente da Baixada Campista. Revista Vértices, v. 17, n. 1, p. 41-57, 27 jul. 2015.
Seção
Artigos Originais