Construção de um trecho experimental em SMA usando bagaço de cana-de-açúcar como aditivo

  • Cláudio Luiz Dias Leal IF Fluminense
  • Protasio Ferreira e Castro Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Stone Matrix Asphalt, Bagaço de Cana, Módulo de Resiliência, Fíler

Resumo

Pesquisadores da área de pavimentação têm buscado soluções apropriadas para melhoria do desempenho de nossos pavimentos frente às modificações dos veículos comerciais. O Stone Matrix Asphalt (SMA) é uma excelente alternativa para elevar o desempenho dos pavimentos brasileiros. Essa mistura asfáltica, com granulometria descontínua e cerca de 70% de agregado graúdo, otimiza o contato grão a grão, aumentando consideravelmente o desempenho estrutural da camada de rolamento, principalmente quanto às deformações permanentes. Misturas do tipo SMA, em função do alto teor de ligante asfáltico, necessitam de fibras como aditivo estabilizante para que não haja segregação ou exsudação durante o processo de mistura e espalhamento. A produção de açúcar e álcool gera cerca de 270 quilogramas de bagaço por tonelada de cana-de-açúcar moída. A maior parte do bagaço é queimada nas caldeiras das usinas para produção de energia térmica ou elétrica. Estima-se que aproximadamente 20% do bagaço não é queimado. Esta pesquisa tem como objetivo principal estudar o aproveitamento do bagaço de cana-de-açúcar como aditivo estabilizante, nas misturas asfálticas do tipo SMA, produzida com asfalto modificado por borracha moída de pneus, em substituição à fibra de celulose. Para verificação dessa hipótese foi feito um estudo laboratorial e um trecho experimental foi construído para avaliação da mistura em serviço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Luiz Dias Leal, IF Fluminense
Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal Fluminense (2004). Professor do IF Fluminense - Campos dos  Goytacazes/RJ – Brasil e doutorando do PROPPI - UFF. E-mail: cleal@iff.edu.br.
Protasio Ferreira e Castro, Universidade Federal Fluminense
Ph D em Engenharia Civil - University of London (1985), Mestre em Engenharia Civil (UFF 1981) e Engenheiro Civil (UFRJ-1971). Professor Titular de Tecnologia da Construção da Universidade Federal Fluminense – Niterói/RJ - Brasil. E-mail: pfcastro@oi.com.br.

Referências

AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY AND TRANSPORTATION OFFICIALS. Guide for Design of Pavement Strutures. Washington: American Association of State Highway and Transportation Officials, 1993.

AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY AND TRANSPORTATION OFFICIALSA. ASHTO T 283. Standard Practice for Resistence of Compacted Bituminous Mixture to Moisture Induced Damage. Washington: American Association of State Highway and Transportation Officials, 1989.

AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY AND TRANSPORTATION OFFICIALS. AASHTO T 305. Standard Method of Test for Determination of Draindown Characteristics in Uncompacted Asphalt Mixtures. Washington: American Association of State Highway and Transportation Officials, 1996.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIAL. ASTM E 965. Standard Test Method for Measuring Pavement Macrotexture Depth Using a Volumetric Technique. Philadelphia: American Society for Testing and Material, 1996.

APS, MARCIA. Classificação da aderência pneu-pavimento pelo índice combinado IFI – International Friction Index para revestimentos asfálticos. São Paulo, 2000. 179 p. Tese (Doutorado em Engenharia Civil) - Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, 2000.

BROWN, E.; COOLEY, E. R. E L. A. Designing Stone Matrix Asphalt Mixtures for Rut-Resistant Pavements. Part 1: Summary of Research Results, Part 2: Mixture Design Method, Construction Guidelines, and Quality Control/Quality Assurance Procedures. NCHRP Report 425. Washington; National Cooperative Highway Research Program, Transportation Research Board, National Research Council, 1999.

CANILHA, L. et al. Caracterização do bagaço de cana-de-açúcar in natura, extraído com etanol ou ciclohexano/etanol. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE QUIMICA, 47., 2007, Natal. Natal: Associação Brasileira de Química, 2007.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Misturas Betuminosas. Desgaste por Abrasão de Misturas Betuminosas com Asfalto Polímero – Ensaio Cantabro. Método de Ensaio. Rio de Janeiro, DNIT ME 383/99, 1999.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Misturas Betuminosas. Determinação da Resistência à Tração por Compressão Diametral. Método de Ensaio, Rio de Janeiro, DNIT ME 138/94, 1994.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Misturas Betuminosas. Determinação do Módulo de Resiliência. Método de Ensaio, Rio de Janeiro, DNIT ME 133/94, 1994.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Pavimentação asfáltica: Delineamento da linha de influência longitudinal da bacia de deformação por intermédio da Viga Benkelman. Método de ensaio, Rio de Janeiro, DNIT 133/2010 – ME, 2010.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Pavimentos flexíveis: Concreto asfáltico com asfalto borracha, via úmida, do tipo “Terminal Blending”. Especificação de serviço, Rio de Janeiro, DNIT 112/2009 – ES, 2009.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES. Procedimento. Avaliação subjetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semi-rígidos. Rio de Janeiro, DNIT PRO 009/2003, 2003.

KAWABATA, C. Y. Aproveitamento de Cinzas da Queima de Resíduos Agroindustriais na Produção de Compósitos Fibrosos e Concreto Leve para a Construção Rural. Pirassununga, 2008. 165 p. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Universidade Estadual de São Paulo, Pirassununga, 2008.

NATIONAL ASPHALT PAVEMENT ASSOCIATION. Design and Constructing SMA Mixtures – State of the Practice. Lanham, 2002. (Quality Improvement Series 122).

Publicado
02-05-2013
Como Citar
LEAL, C. L. D.; CASTRO, P. F. E. Construção de um trecho experimental em SMA usando bagaço de cana-de-açúcar como aditivo. Revista Vértices, v. 14, n. 3, p. 71-84, 2 maio 2013.
Seção
Artigos Originais