A revitalização da indústria de defesa brasileira: análise da alternativa Cooperação Sul-americana/européia

  • Renato Peixota Dagnino UNICAMP
  • Luiz Alberto Nascimento Campos Filho Faculdades Ibmec/RJ
Palavras-chave: Análise de políticas, Policy networks, Cooperação, Indústria de defesa

Resumo

No Brasil, assiste-se a formação de uma policy network que busca a revitalização da indústria de defesa. O foco do presente trabalho é analisar uma alternativa em discussão no interior dessa rede para revitalizar tal indústria por meio de uma cooperação entre os países sul-americanos e europeus. Apesar da informação sobre o setor ser escassa e controversa, foi possível realizar uma análise dos atores envolvidos, dos mercados, capacidades produtivas, dos principais benefícios e ameaças que apresenta essa cooperação. O artigo sinaliza a necessidade de melhor avaliar esses potenciais benefícios e os impactos de uma revitalização da indústria de defesa nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Peixota Dagnino, UNICAMP
Professor titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica da UNICAMP.
Luiz Alberto Nascimento Campos Filho, Faculdades Ibmec/RJ
Professor adjunto (tempo integral) das Faculdades Ibmec/RJ.

Referências

BLOM-HANSEN, J. A ‘New Institucional’ Perspective on Policy Networks. Public Administration, v. 75, p. 669-693, winter, 1997.

CONTANDRIOPOULS, D. et al. Governance Structures and Political Processes in a Public System: Lessons from Quebec. Public Administration, v. 82, n. 3, p. 627-655, 2004.

CONSIDINE, M.; LEWIS, J. M. Bureaucracy, Network, or Enterprise? Comparing Models of Governance in Australia, Britain, the Netherlands, and New Zealand. Public Administration Review, v. 63, n. 2, p. 131-140, mar./apr., 2003.

COSTA, D. O Brasil diante dos desafios internacionais de segurança e defesa. Ciclo de Debates sobre a Atualização do Pensamento Brasileiro em material de Defesa e Segurança. 3 rodada. 8-9 nov. 2003.

DAGNINO, R. Sobre a revitalização da indústria de defesa brasileira. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br >. Acesso em: 20 mar. 2005.

IRVIN, R. A.; STANBSURY, J. Citizen Participation in Decision Making: Is It Worth the Effort?. Public Administration Review, v. 64, n. 1, p. 55-65, jan./fev., 2004.

KALDOR, M. The Baroque Arsenal. London: Andre Deutsch. 1982.

MARSCH, D.; RHODES, R. A. W. Policy communities and issue networks: Beyond Typology. In: MARSCH, D.; RHODES, R. A. W. (Eds.). Policy Networks in British Government. Oxford: Claredon Press, 1992.

QUINTÃO, G. M. C. Discurso de abertura do seminário sobre Diretrizes Estratégicas de CT&I de Interesse para a Defesa Nacional. Ministério da Defesa/Ministério da Ciência e Tecnologia. Ciência, Tecnologia e Inovação: propostas de diretrizes estratégicas para a defesa nacional. Brasília, DF: 26 nov. 2002, 57 p.

RAAB, J. Where do Policy Networks Come From? Journal of Public Administration Research and Theory, p. 581-622, Oct. 2002.

STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE - SIPRI. Yearbook: Armaments, Disarmament and International Security, 2003.

UNITED STATES ARMS CONTROL AND DISARMAMENT AGENCY - USACDA. World Military Expenditure and Arms Transfers, 2003.

VIEGAS FILHO, J. et al. Ciência, tecnologia e defesa. Folha de São Paulo, 27 maio 2004. Caderno Opinião.

WALTERS, L. C.; AYDELOTTE, J.; MILLER, J. Putting More Public in Policy Analysis. Public Administration Review, v. 60, n. 4, p. 349-359, Jul./Aug., 2000.

WARWAR, Z. Panorama da prática do offset no Brasil: uma visão da negociação internacional de acordos de compensação comercial, industrial e tecnológica. Brasília, DF: Projecto Editorial/Livraria Suspensa, 2004.

Como Citar
DAGNINO, R. P.; CAMPOS FILHO, L. A. N. A revitalização da indústria de defesa brasileira: análise da alternativa Cooperação Sul-americana/européia. Revista Vértices, v. 9, n. 1/3, p. 31-42, 11.