“Vidas secas”: uma leitura (hiper)intertextual

  • Giselda Maria Dutra Bandoli Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Cambuci/RJ
  • Sérgio Arruda de Moura Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Palavras-chave: Vidas secas, Hipertexto, Intertextualidade, Atualização, Virtualização

Resumo

Neste trabalho, faz-se uma reflexão sobre as noções de hipertexto a partir de atualizações da obra Vidas secas, de Graciliano Ramos. Nosso propósito é, ao realizar a leitura de um objeto artístico, desvincular o hipertexto da ideia de que este é um dispositivo possibilitado apenas pelo meio eletrônico, tese defendida por autores renomados no assunto. Ainda evidenciaremos que em um texto impresso o hipertexto também se manifesta.  Postularemos que a linguagem literária pode ser uma manifestação da hipertextualidade. Enfim, realizaremos uma leitura intertextual da obra, procurando destacar o diálogo existente entre esta e outras obras de autores representativos brasileiros.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselda Maria Dutra Bandoli, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Cambuci/RJ
Mestra em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Professora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) campus Cambuci, Cambuci/RJ - Brasil. E-mail: giseldadutrabandoli@uol.com.br.  
Sérgio Arruda de Moura, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ - Brasil. E-mail: arruda.sergio@gmail.com.

Referências

ABAURRE, Maria Luiza M.; ABAURRE, Maria Bernadete M.; PONTARA, Marcela. Português: contexto, interlocução e sentido. São Paulo: Moderna, 2010.

ALMEIDA, José Américo de. A bagaceira. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.

BABO, Maria Augusta. O hipertexto como nova forma de escrita. In: SÜSSEKIND, Flora. (Org.). Historiografia literária e as técnicas de escrita: do manuscrito ao hipertexto. Rio de Janeiro: Vieira e Lent, 2004.

CASTRO, Dácio Antônio de. Roteiro de leitura: Vidas secas, de Graciliano Ramos. São Paulo: Editora Ática, 2001.

COSCARELLI, Carla Viana (org.). Novas tecnologias, novos textos, novas formas de pensar. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

KOCH, Ingedore. Hipertexto e a construção de sentido. Revista Alfa, São Paulo, v.51, n.1, p. 23-38, 2007.

______. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2008a.

______. BENTES, Anna Christina; CAVALCANTI, Mônica Magalhães. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2008b.

______. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2011.

KRAMER, Sônia. Professoras de educação infantil e mudança: reflexões a partir de Bakhtin. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, p. 497-515, maio/ago. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v34n122/22515.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2015.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 1974.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual. São Paulo: Editora 34, 1996.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Linearização, cognição e referência: o desafio do intertexto. In: COLÓQUIO DA ASSOCIAÇÃO LATINOAMERICANA DE ANALISTAS DO DISCURSO, 4., 1999, Santiago, Chile. Disponível em: <http://web.uchile.cl/facultades/filosofia/Editorial/libros/discurso_cambio/17Marcus.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2015.

QUEIROZ, Rachel de. O quinze. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SOUSA, Silvia Maria; MEDEIROS, Vanise. Linguística I. Rio de Janeiro: Fundação Cecierj, 2012.

VILLAÇA, Nízia. Impresso ou eletrônico?: um trajeto de leitura. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

Publicado
08-04-2016
Como Citar
BANDOLI, G. M. D.; DE MOURA, S. A. “Vidas secas”: uma leitura (hiper)intertextual. Revista Vértices, v. 17, n. 3, p. 195-213, 8 abr. 2016.
Seção
Artigos Originais