Os Gêneros Orais em Sala de Aula: Uma Proposta Pedagógica para Além da Comunicação Privada

  • Fernando Alves de Oliveira Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Palavras-chave: Oralidade, Debate de Opinião, Gêneros Orais Formais

Resumo

O presente trabalho trata de uma investigação, de caráter intervencionista e aplicada, envolvendo gêneros orais formais, que culminou na realização de um debate de opinião com alunos do 9º ano de uma escola estadual de João Pessoa (PB) sobre o tema “Maconha: Manter Proibição ou Descriminalizar?”. Partimos do pressuposto de que a oralidade, principalmente em situações formais, é esquecida pela escola, o que compromete a formação integral de estudantes de Língua Portuguesa e, por isso, deve ser incentivada em sala de aula. O principal objetivo do procedimento foi instrumentalizar os estudantes para a produção competente e crítica de textos orais, especialmente na modalidade formal, ensinando-os a usar a língua, de forma adequada, em todos os contextos. Como parâmetro de intervenção, nos baseamos (com adaptações) no modelo de sequência didática de Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004), levando em conta estratégias que permitissem aos estudantes compreender e produzir textos adequados ao gênero em questão, considerando seu estilo, conteúdo temático e estrutura composicional (BAKHTIN, 1997) e ainda tivessem desenvolvidas suas capacidades argumentativas. Como aporte teórico, recorremos a Antunes (2003), Reyzábal (1999), Koch (2011) e Marcuschi (1997, 2007, 2010), que nos subsidiaram no entendimento sobre oralidade, leitura, escrita, gêneros orais e debate. Além de Preti (2004) e Ramos (1997), que contribuíram no estudo do registro linguístico e gêneros orais formais e Ribeiro (2009); Fiorin (2015) e Leitão (2011), que tratam dos conceitos de argumentação, contra-argumentação e recursos argumentativos. Nossa análise tomou por base a comparação entre a primeira produção (cujo tema foi homofobia) e a última, considerado o trabalho desenvolvido durante os módulos. Foi possível detectar avanços como a caracterização, pelos alunos, do gênero debate de opinião, a partir da articulação de seus três elementos constituintes e a formulação de pontos de vista linguística, semântica e argumentativamente articulados, com o uso de recursos como a exemplificação, a exposição de fatos e a transitividade. Ao final, apresentamos uma sugestão de sequência didática sobre o gênero debate de opinião, baseada em nossa prática de sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Alves de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Mestre em Letras (Profletras) pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Paraíba - Brasil. E-mail: fernandotutorufpb@gmail.com.
Publicado
08-04-2016
Como Citar
DE OLIVEIRA, F. A. Os Gêneros Orais em Sala de Aula: Uma Proposta Pedagógica para Além da Comunicação Privada. Revista Vértices, v. 17, n. 3, p. 235-236, 8 abr. 2016.
Seção
Resumos de dissertações e teses