Uma arquitetura de controle de processos ambientais baseada em geoprocessamento

  • Luiz Alberto Oliveira Lima Roque
Palavras-chave: Modelo Orientado ao Objeto, Controle de processos, Monitoramento ambiental, Modelos estatísticos e matemáticos, Geoprocessamento, Java

Resumo

Atividades humanas têm alterado os recursos naturais de maneira dramática. A fim de lutar contra essa degradação feroz, há uma grande necessidade de se criarem sistemas de informação geográficos orientados ao monitoramento ambiental. A sociedade deve rastrear a situação real dos seus recursos ambientais, e isso pode ser executado por meio do processo de seleção dos objetos relevantes para o monitoramento, medição de suas características ou atributos e análise de todos os dados fornecidos por meio de modelos matemáticos e estatísticos; de simulação e de outras ferramentas. Há um padrão, meta ou situação desejada para o comportamento de um sistema ambiental e dados originados do mundo real devem ser comparados a esse padrão. Os dados a serem coletados são em geral dispersos geograficamente e de diferentes tipos, adquiridos por sensores específicos ou por pesquisadores. Assim, este artigo apresenta um Modelo Orientado ao Objeto, baseado em dados geoprocessados, e pode ser pensado como uma estrutura para todo tipo de sistemas de informação voltados ao controle e monitoramento de processos ambientais. Este modelo é orientado para a Internet, no sentido de que o dado a ser coletado pode estar geograficamente distribuído. Após sua captura, o dado é enviado, pela Internet, a Sistemas Gerenciadores de Base de Dados (SGBD) específicos, para ser armazenado. Depois, esse dado bruto pode ser disseminado também pela Internet, para pesquisadores ou outras pessoas interessadas. Aplicativos baseados neste modelo poderão fazer diversas análises com os dados espaciais armazenados no SGBD. Se os dados monitorados estiverem fora dos limites seguros de concentração, devido a diversos motivos, alguns processos serão disparados, no intuito de evitar danos ambientais ao ar, às águas e aos solos. Com esta estrutura, pode-se desenvolver modelos para diferentes tipos de ecossistemas e arquivá-los numa base de dados específica, visando a seu posterior reuso. Um protótipo baseado em Java foi desenvolvido para mostrar as funcionalidades do modelo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Alberto Oliveira Lima Roque
Mestre em Engenharia de Computação. Doutorando em Engenharia de Reservatórios e Modelagem Computacional. Instituto Federal Fluminense – Campus Macaé. Email: luizlimaroque@gmail.com. Endereço: Rod. Amaral Peixoto, Km 164 Imboassica 27793-030 – Macaé, RJ, Brasil

Referências

HIRANO, T.; HIRATA, R.; FUJINUMA, Y.; SAIGUSA, N.; YAMAMOTO, S.; HARAZONO, Y.; TAKADA, M.; INUKAI, K.; INOUE, G. CO2 and Water Vapor Exchange of a Larch Forest in Northern Japan. Tellus, v. 55B, p. 244-257, 2003. Disponível em: <http://www-cger2.nies.go.jp>. Acesso em: 1 set. 2010.

PERIÁÑEZ, R. GISPART: a numerical model to simulate the dispersion of contaminants in the Strait of Gibraltar. Science Direct – Environmental Software, v. 20, n. 6, p. 797-802, dec. 2004.

FEDRA, K. Model-based Decision Support for Integrated Urban Air Quality Management. In: ADRIANO, D.C.; ISKANDAR, A.K.; MURARKA, I.P. (Eds.) Contamination of Groundwaters. Advances in Environmental Science. Northwood, UK: Science Reviews, 1994. p. 189-220. Disponível em: <http://www.ess.co.at/docs/papers/fedra99.html>. Acesso em: 9 jan. 2010.

UNNINAYAR, S. Climate System Monitoring. Science Direct: The Science of the Total Environment, v. 56, n. 2, p. 55-65, jun. 2003.

UNNINAYAR, S.; SCHIFFER, R.A. In-situ observations for the global observing systems: A compendium of requirements and systems. NASA Office of Mission to Planet Earth, v. 56, n. 2, p. 55-65, Jan. 1997. Disponível em: < http://www.oco.noaa.gov>. Acesso em: 13 jan. 2010.

JAWAD, S.; TOUMAMARK, W.; ELTGROTHT, K.; PAIKE, D. C. Expert interface for modeling air quality impacts from superfund sites. Science Direct: Environmental Software, v. 10, n. 4, p. 223-239, 24 jul. 2000.

LOPES, A.M.G. WINDSTATION: A software for the simulation of atmospheric flows over complex topography. Science Direct: Environmental Software, v. 18, n. 4, p. 81-96, mar. 2003.

ONGLEY, E.D. Matching water quality programs to management needs in developing countries: the challenge of program modernization. Science Direct: European Water Polution Control, v. 7, n. 4, p. 43-48, set. 1996.

OBJECT MANAGEMENT GROUP (OMG). Unified Modeling Language 2.0 Infrastructure Specification. Version 2.0 – formal/03-09-15, abr. 2004. Disponível em: < http://www.omg.org/docs/ptc/03-09-15.pdf> Acesso em: 11 jan. 2010.

SANTOS, I. dos; BRAGA, Sérgio M.; FERNANDES, C. V. S. Monitoramento Automático de Qualidade da Água: uma visão crítica para a Bacia do Rio Barigüi. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS, 15., 2003, Curitiba. Disponível em: < http://www.lactec.org.br/publicacoes/2003/063_2003.pdf> Acesso em: 15 set. 2009.

Como Citar
ROQUE, L. A. O. L. Uma arquitetura de controle de processos ambientais baseada em geoprocessamento. Revista Vértices, v. 12, n. 3, p. 91-106, 11.
Seção
Artigos Originais

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##