O Estresse entre os Profissionais de Enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva do Município de São José do Calçado/ES

  • Bianca da Silva Campos Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
  • Edmar Gonçalves de Oliveira Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
  • Clara dos Reis Nunes Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
Palavras-chave: Burnout, Qualidade de Vida, Fatores de Risco

Resumo

Os fatores desencadeantes do estresse podem comprometer a qualidade de vida e afetar o indivíduo como um todo, incluindo profissionalmente. Logo, foram investigados os fatores de risco que elevavam o nível de estresse entre profissionais de enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital no município de São José do Calçado/ES, identificando os problemas enfrentados que estão associados ao estresse. Verificou-se que a elevação do nível de estresse é provocada, sobretudo, pela elevada responsabilidade e exigência por segurança e respeito para o paciente e, apesar de ser um ambiente considerado estressante, na unidade hospitalar analisada o nível de estresse não estava elevado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca da Silva Campos, Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC) – Bom Jesus do Itabapoana/RJ – Brasil. E-mail: bianca_19_campos@hotmail.com.
Edmar Gonçalves de Oliveira, Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
Bacharel em Enfermagem pela Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC) – Bom Jesus do Itabapoana/RJ – Brasil. E-mail: tec.edmar@hotmail.com.
Clara dos Reis Nunes, Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC), Bom Jesus do Itabapoana/RJ
Doutora em Produção Vegetal com ênfase em Química de Alimentos na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Docente na Faculdade Metropolitana São Carlos (FAMESC) – Bom Jesus do Itabapoana/RJ – Brasil. E-mail: clara_biol@yahoo.com.br.

Referências

AFECTO, M. C. P.; TEIXEIRA, M. B. Avaliação do estresse e da síndrome de Burnout que atuam em uma unidade de terapia intensiva: Um estudo qualitativo. Revista Online Brazilian Journal of Nursing, São Paulo, v. 8, n. 1, 2009.

ANDOLHE, R. et al. Estresse, coping e Burnout da equipe de enfermagem de unidade de terapia intensiva: fatores associados. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 49, p. 58-64, 2015.

BEZERRA, F. M.; SILVA, T. M.; RAMOS, V. P. Estresse ocupacional de enfermeiros de urgência e emergência: Revisão integrativa da literatura. Revista Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, 2012.

BIANCHI, E. R. F. O enfermeiro hospitalar e o estresse. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 34, n. 4, p. 390-94, 2000.

CAMELO, S. H. H.; ANGERAMI, E. L. S. Riscos psicossociais relacionado ao trabalho das equipes de saúde da família: Percepção dos profissionais. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v. 15, n. 4, p. 502-507, 2007.

CAMELO, S. H. H. Competência profissional do enfermeiro para atuar em unidade de terapia intensiva: Revisão integrativa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 20, n. 1, p.192-200, 2012.

CAVALHEIRO, A. M.; JUNIOR, D. F. M.; LOPES, A.C. Estresse de enfermeiros com atuação em terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 16, n. 1, 2008.

CORONETTI, A. et al. O estresse da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva: o enfermeiro como mediador. Arquivo Catarinense de Medicina, Florianópolis, SC, v. 35, n. 4, 2006.

COSTA, J. R. A.; LIMA, J. V.; ALMEIDA, P. C. Stress no trabalho do enfermeiro. Revista de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 37, n. 3, p. 63-71, 2003.

DALRI, R. C.; ROBAZZI, M. L.; SILVA, L. A. Riscos Ocupacionais e Alterações de Saúde Entre Trabalhadores de Enfermagem Brasileiros de Unidades de Urgência e Emergência. Ciência y Enfermería, Concepcion, Chile, v. 16, n. 2, p. 69-81, 2010.

FERREIRA, F. G. Desvendando o estresse da equipe de enfermagem em terapia intensiva. Dissertação (Mestrado) - Escola de Enfermagem/USP, São Paulo, 1998.

GALLO, B. M.; HUDAK C. M. Cuidados intensivos de enfermagem: abordagem holística. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1997.

GUIDO, L. A. Estresse, Coping entre enfermeiros de centro cirúrgicos e recuperação anestésica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 199, 2003.

GUIDO, L. A.; LINCH, G. F. C.; PITTHAN, L. O. Estresse, Coping e estado de saúde entre enfermeiros hospitalares. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 6, p. 1434-9, 2011.

INOUE, K. C.; MATSUDA, L. M. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em unidade de terapia intensiva para adulto. Revista Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 379-384, 2010.

LEITE, M. A.; VILA, V. S. C. Dificuldade vivenciada pela equipe multiprofissional na unidade de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto-SP, v. 13, n. 2, 2005.

LENTINE, E. C.; SONODA, T. K.; BIAZIN, D. T. Estresse de profissionais de saúde das unidades básicas do município de Londrina. Terra e Cultura, v.19, n.37, p. 103- 123, 2003.

LIPP, M. E. N. Manual do Inventário de Sintomas de Stress para adultos de Lipp. (ISSL). 30. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.

MARRISON, W. E. et al. Noise, stress, and annoyance in a pediatric intensive care unit. Critical Care Medicine, v. 31, p. 113-119, 2003.

MARTINO, M. F. M.; MISKO, D. M. Estados emocionais de enfermeiros no desempenho profissional em unidades críticas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 161-7, 2004.

MIRANDA, E. J. P; STANCATO, K. Riscos à saúde de equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva: proposta de abordagem integral da saúde. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 20, p. 68-76, 2008.

MONTANHOLI, L. L.; TAVARES, D. M. S; OLIVEIRA, G. R. Estresse: fator de risco no trabalho do enfermeiro hospitalar. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 59, n. 5, p. 661-665, 2006.

MORENO, F. N. et al. Estratégias de intervenções no enfrentamento da síndrome de Burnout. Revista de Enfermagem da UERJ, Rio de Janeiro, v.19, n. 1, p. 140-145, 2011.

NEGELISKII, C.; LAURENTE, L. Estresse laboral e capacidade para o trabalho de enfermeiros de um grupo hospitalar. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 19, n. 3, p. 606-613, 2011.

OLIVEIRA, Q. G.; PEDROSA, M. A. Estresse: risco para enfermeiros que atuam em unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem UNISA, Santo Amaro, SP, v. 11, n. 2, p. 131-133, 2010.

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO (ONA). Organizações prestadoras de serviço de saúde. Manual Brasileiro de Acreditação. São Paulo, 2010.

PEREIRA, M. E. R.; BUENO, S. M. V. Lazer um caminho para avaliar as tensões no ambiente de trabalho em UTI e uma concepção da equipe de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 5, n. 4, p. 75-83, 1997.

PRETO, V. A.; PEDRÃO, L. J. O estresse entre enfermeiros que atuam em Unidade de Terapia Intensiva. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 841-8, 2009.

RODRIGUES, V. M. C. P.; FERREIRA, A. S. S. Estressores em enfermeiros que trabalham em unidades de terapia intensiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, SP, v. 19, n. 4, p. 25-32, 2011.

SANTOS, F. D. et al. O estresse do enfermeiro nas unidades de terapia intensiva adulto: Uma revisão da literatura. Revista Eletrônica Saúde mental Álcool e Droga, São Paulo, v. 6, n. 1, 2010.

SILVA, B. M. et al. Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade de assistência de enfermagem. Revista Texto & Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 15, n. 3, 2006.

SILVA, D. S. D. et al. Depressão e risco de suicídio entre profissionais de Enfermagem: revisão integrativa. Rev. Esc. Enferm. USP, v. 49, n. 6, p. 1027-36, 2015.

SILVEIRA, M. M.; STUMM, E. M.; KIRCHINER, R. M. Estressores de coping: Enfermeiros de uma unidade de emergência hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiânia, GO, v. 11, n. 4, p. 894-913, 2009.

VALENTE, G. S.; MARTINS, C.C. A interferência do estresse na Saúde Ocupacional do Enfermeiro que atua em emergência hospitalar. Revista de Enfermagem UFPE, Recife, v. 4, n. 2, p. 533-538, 2010.

VARGAS, D.; DIAS, A. P. V. Depression prevalence in Intensive Care Unit nursing workers: a study at hospitals in a northwestern city of São Paulo State. Rev. Latino-Am Enfermagem, Sep./Oct., v.19, n. 5, p. 1114-21, 2011.

VASCONCELOS, E. M.; DE MARTINO, M. M. F.; FRANÇA, S. P. S. Burnout and depressive symptoms in intensive care nurses: relationship analysis. Rev. Bras. Enferm., v. 71, n. 1, p. 135-41, 2018.

Publicado
30-08-2018
Como Citar
CAMPOS, B. DA S.; OLIVEIRA, E. G. DE; NUNES, C. DOS R. O Estresse entre os Profissionais de Enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva do Município de São José do Calçado/ES. Revista Vértices, v. 20, n. 2, p. 267-280, 30 ago. 2018.
Seção
Artigos Originais