[1]
N. M. Moraes, “O rei do pop e as nuances da pós-modernidade trágica”, Revista Vértices, vol. 12, nº 3, p. 7-16, 1.