Trabalho, Ambiente e Educação: reflexões, pistas de ação e de pesquisa na "Educação Ambiental" e na "Educação para o Trabalho"

Autores

  • Alexandre Maia do Bonfim Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Rio de Janeiro/RJ https://orcid.org/0000-0002-5617-2229

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v24n22022p556-566

Palavras-chave:

Trabalho, Ambiente e Educação, Educação Ambiental Crítica, Educação para o Trabalho, Trabalho e Educação, Trabalho e Meio Ambiente

Resumo

A proposta deste artigo é refletir como a questão ambiental (inclusive por sua característica transversal) perpassa a área de Trabalho e Educação (TE), considerando um caminho crítico e os desafios contemporâneos. É também uma reflexão sobre o encontro entre a “Educação Ambiental Crítica” e a “Educação para o Trabalho”. Artigo de apelo teórico que pressupõe anos de pesquisa empírica, leituras e debates de um grupo de pesquisa dentro dessa temática. O estudo refletiu sobre dois temas-exemplos, a pandemia e o agronegócio brasileiro, associando-os à questão ambiental, fez-se especialmente por meio de autores críticos, destaque aos marxistas, marcando o posicionamento anticapitalista. O texto procurou mostrar o movimento da teoria que considera a realidade concreta para indicar caminhos de luta. Por fim, o artigo alcançou que o pressuposto do conflito socioambiental é imprescindível para compreensão da relação entre Trabalho, Ambiente e Educação, sendo possível incluir outros conceitos como trabalho, contradição, luta de classes etc. Conceitos que se correlacionam, especialmente dentro do materialismo histórico-dialético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Maia do Bonfim, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Rio de Janeiro/RJ

Pós-doutor em Educação pela PPGE - UFPE. Doutor em Ciências Humanas-Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professor associado II em Sociologia da Educação e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências (PROPEC) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) – Rio de Janeiro/RJ – Brasil. E-mail: alexandre.bomfim@ifrj.edu.br.

Referências

BOMFIM, A. M. Educação Ambiental para Além do Capital: balanço de estudos e alguns apontamentos à EA sob a perspectiva do Trabalho. Trabalho Necessário, Rio de Janeiro, UFF, v. 9, n. 13, Edição especial, 2011. DOI: https://doi.org/10.22409/tn.9i13.p6849. Disponível em: https://periodicos.uff.br/trabalhonecessario/article/view/6849/5132. Acesso em: 15 nov. 2021.

BOMFIM, A. M.; PICCOLO, F. D. Educação Ambiental Crítica: a questão ambiental entre os conceitos de cultura e trabalho. Revista Eletrônica Mestrado Educação Ambiental. Revista do PPGEA – Furg, Rio Grande, RS, v. 27, jul./dez. 2011. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3236/1923. Acesso em: 15 nov. 2021.

CARDOSO, F. H. “Dois Centenários”. Jornal O Globo, Domingo, 2 ago. 2020.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

CHESNAIS, F.; SERFATI, C. “Ecologia” e condições físicas de reprodução social: alguns fios condutores marxistas. Crítica Marxista, São Paulo: Editora Boitempo, n. 16, 2003.

FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. Campinas: Unicamp, 2001.

GRAMSCI, A. Concepção Dialética da História. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1981.

KONDER, L. A Questão da Ideologia. São Paulo: CIA da Letras, 2002.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LAMOSA, R.; LOUREIRO, C. F. B. Agronegócio e educação ambiental: uma análise crítica. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 83, p. 533-554, abr./jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ensaio/a/3LchntkhKsnpksqsykWMQKQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 nov. 2021.

LAYRARGUES, P. P. Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: evolução de um conceito? Revista Proposta, Rio de Janeiro, v. 24, n. 71, p. 1-5, 1997.

LÖWY, M. Crise ecológica, crise capitalista, crise de civilização: a alternativa ecossocialista. Caderno CRH, Salvador, v. 26, 67, p. 79-86, jan./abr. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-49792013000100006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccrh/a/dZvstrPz9ncnrSQtYdsHb7D/abstract/?lang=pt#. Acesso em: 20 jul. 2022.

LÖWY, M. Ecologia e Socialismo. São Paulo: Cortez, 2005.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. Campinas, SP: Boitempo, 2002.

PRAZERES, L.; PORTINARI, N. Fundo do Desmate: bancos repassaram 165 milhões para empresas com áreas embargadas na Amazônia. O Globo, Rio de Janeiro, 20 out. 2019. Caderno Sociedade, p. 43.

VENTURA, Z. Chico Mendes: crime e castigo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Publicado

16-09-2022

Como Citar

BONFIM, A. M. do. Trabalho, Ambiente e Educação: reflexões, pistas de ação e de pesquisa na "Educação Ambiental" e na "Educação para o Trabalho". Revista Vértices, [S. l.], v. 24, n. 2, p. 556–566, 2022. DOI: 10.19180/1809-2667.v24n22022p556-566. Disponível em: https://essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/16524. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático: “A pesquisa em Educação Profissional e Tecnológica: temas, abordagens e fontes”