Ainda sobrou o leite nas memórias do meu coração

  • Luciana Ferreira Tavares Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Palavras-chave: Leite Derramado, Memória Afetiva, Narrativa Ficcional, Errância

Resumo

Este artigo aborda a importância da memória afetiva reconstruída na narrativa ficcional de Chico Buarque de Hollanda. Por meio do narrador-protagonista – Eulálio d’Assumpção –, de Leite Derramado, serão feitas considerações sobre a estrutura especular, elemento sempre presente, nas narrativas buarquianas. Demonstraremos que no resgate de uma dupla biografia – Eulálio e Matilde – o narrador projeta na tessitura da escrita os sintomas do ressentimento (incapacidade de bem viver no presente) e os vestígios deixados pela imagem da dor: imagem-marca. Salientaremos que esta obra literária apresenta, implicitamente, na trama da narrativa, uma fundamentação ontológica do ser: a errância. Por isso, elegemos o âmbito da consciência hermenêutica para mostrarmos, receptivamente, a alteridade do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Ferreira Tavares, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
Mestre em Cognição e Linguagem pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Professora da Rede Estadual de Ensino e do ISEPAM, Campos dos Goytacazes/RJ. E-mail: lucianatavares98@yahoo.com.br.

Referências

BALLY, Charles. El Lenguaje La Vida. Buenos Aires: Losada, 1972.

BARROS FILHO, Clóvis de. Comunicação do eu: ética e solidão. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Tradução de Mauro Gama e Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BEAINI, Thaís Curi. À escuta do silêncio: um estudo sobre a linguagem no pensamento de Heidegger. São Paulo: Cortez, 1981.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: ______. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução de José Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BORNHEIM, Gerd. Metafísica e finitude. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BUARQUE, Chico. Leite derramado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

CASTRO, Manuel Antônio de. O acontecer poético: a história literária. Rio de Janeiro: Antares, 1982.

FÉLIX, Loiva Otero. História e memória: a problemática da pesquisa. Passo Fundo: UPF, 2004.

FERNANDES, José. O Poeta da linguagem. Rio de Janeiro: Presença, 1983.

FERNANDES, Rinaldo de (Org.). Chico Buarque de Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

FERRAZ, Heitor. Um barão de fachada. Revista Bravo, São Paulo, n. 2, 2009.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2004.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. Tradução de Flávio Paulo Meurer. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Editora 34, 2006.

GALHOZ, Maria Aliete. Alegria breve. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1982.

GIDDENS, Anthony. [et al.]. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1997.

HEIDEGGER, Martin. Sobre a essência da verdade. Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Duas Cidades, 1970.

HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LEAL, Ivanhoé Albuquerque. História e ação na teoria da narratividade de Paul Ricoeur. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

LIMA, Luiz Costa. O controle do imaginário & a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristram Shandy. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

LUCCHESI, Ivo. Crise e escritura: uma leitura de Clarice Lispector e Vergílio Ferreira. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

MENDES, Breno. Uma (imperfeita) mediação entre extremos: um panorama sobre as contribuições de Paul Ricoeur à teoria da história em tempo e narrativa. Disponível em: <http://www.historiaehistoria.com.br>. Acesso em: 15 fev. 2012.

MOSÉ, Viviane. Nietzsche e a grande política da linguagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. Projeto História, São Paulo: v. 10, dez. 1993.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: evolução e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Papirus, 1997. t. 3.

______. A metáfora viva. Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 2005.

SILVA, Fernando de Barros e. Chico Buarque. São Paulo: Publifolha, 2004.

SILVA, Márcio Seligmann. (Org). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. São Paulo: Unicamp, 2003.

STEINER, George. Gramática da criação. Tradução de Sérgio Augusto de Andrade. São Paulo: Globo, 2003.

Publicado
27-07-2015
Como Citar
TAVARES, L. F. Ainda sobrou o leite nas memórias do meu coração. Revista Vértices, v. 17, n. 1, p. 23-39, 27 jul. 2015.
Seção
Artigos Originais